F/A-18 Super Hornet Austrália acidente
Erro do piloto foi uma das principais causas do acidente com o F/A-18F Super Hornet dezembro de 2020. Foto via Australian Defence.

Um relatório obtido por um senador da Austrália confirma que a distração de um piloto causou um grave acidente com um caça F/A-18 Super Hornet em 08/12/2020. O jato de dois assentos saiu da pista enquanto decolava, levando a ejeção dos dois tripulantes. 

O documento do Defense Flight Safety Bureau (DFSB), apresentado pelo Senador Rex Patrick à agência de notícias ABC, dá detalhes do incidente ocorrido na base aérea de RAAF Amberley, que deixou os aviadores levemente feridos e o F/A-18F danificado. 

“Durante a decolagem, a aeronave saiu do lado direito da superfície da pista, culminando na ejeção de ambos os tripulantes”, afirma o relatório.

“Os serviços de emergência da base foram notificados imediatamente e a tripulação foi resgatada e assistida medicamente. Ambos os tripulantes sofreram ferimentos leves com a ejeção e a aeronave sofreu danos moderados.”

Os investigadores do DFSB descobriram que a falta de atenção com “as ações da lista de verificação antes do alinhamento da aeronave resultou em uma mensagem de ‘master caution’ e ‘check trim’ [compensador] no indicador do visor digital esquerdo quando os aceleradores foram avançados no pós-combustor para a decolagem”.

“Durante a decolagem, o aviso de check trim distraiu o piloto de priorizar o foco no controle direcional”, dizem os investigadores. Isso fez com que o piloto não desse atenção para o rumo da aeronave na pista por vários segundos. 

Eles acrescentaram que “as condições de vento de través no dia, a posição do alinhamento da aeronave e o carregamento assimétrico das estações exacerbaram a tendência da aeronave se desviar da direção da pista”. 

A aeronave estava carregada com dois tanques externos, mísseis AIM-9X e AIM-120 AMRAAM inertes e um pod de instrumentação de combate aéreo. Os tanques foram instalados de forma assimétrica, com um montado sob a estação interna da asa direita e outro na estação da fuselagem.  

“Ao notar o desvio de rumo, é provável que o piloto tenha sofrido uma resposta aguda ao estresse, seguida por uma curta duração de desempenho cognitivo prejudicado. Durante esse período, uma série de erros de ação foram cometidos na tentativa de corrigir e manter o controle direcional da aeronave”, aponta o DFSB.

Durante a investigação, se descobriu que quando o Super Hornet atingiu sua velocidade máxima no solo, o trem de pouso saiu da pista, atingindo uma luz de borda da pista, quebrando o controle direcional (steering) do trem de pouso dianteiro.

Imagem via The War Zone.

Descontrolado, o F/A-18 saiu pela borda da pista, adentrando o canteiro e atingindo um monte de concreto. O avião saltou e isso fez com que o Oficial de Sistemas de Armas – tripulante do assento traseiro – acionasse os assentos ejetores do avião.

Cabe destacar que esse tripulante não é um piloto e não tem qualquer controle dos comandos de voo do avião. 

Os investigadores descobriram que a ejeção provavelmente cortou os aceleradores do Super Hornet. O caça continuou se movendo com potência em marcha lenta, até parar a cerca de 930 metros do ponto de partida da pista e a 200 metros à direita do eixo da pista.

F/A-18F Super Hornet da Força Aérea Real Australiana. Foto: Bidgee.

Respondendo ao Senador, o Ministério da Defesa da Austrália disse que o reparo do F/A-18F custou 1,51 milhão de dólares australianos, além de ter levado ao aterramento de todos os F/A-18 e EA-18 Growler da RAAF por 10 dias. A aeronave foi liberada das investigações no dia 02/02/2021, voltando às operações em meados do mesmo ano.