Esquadrão Netuno completa 30 anos de atuação em áreas marítimas

Neste domingo (27/09), o Terceiro Esquadrão do Sétimo Grupo de Aviação (3°/7° GAV) – Esquadrão Netuno comemora seu Jubileu de Pérola, momento que relembra fatos e pessoas que moldaram a Unidade Aérea durante seus 30 anos.

Situado na Ala 9, em Belém, no estado do Pará, o Esquadrão Netuno nasceu com a responsabilidade de honrar a história da Aviação de Patrulha, que tem suas origens na defesa do litoral brasileiro na época da Segunda Guerra Mundial.

Ao longo de sua existência, o Esquadrão Netuno tem sido marcado pelo pioneirismo e pela incessante busca por inovações que vem contribuindo para o melhor cumprimento de suas missões, como adaptações na aeronave para melhorar a eficiência em missões de Busca; criação de um Simulador de Voo para aperfeiçoar o treinamento das tripulações; transmissão de dados utilizando o Sistema HF (Alta Frequência) da aeronave, entre outras.

De acordo com o Comandante da Ala 9, Brigadeiro do Ar Leonardo Chaves Rodrigues, o momento é favorável para ressaltar o valor sinérgico das ações de várias gerações que sucederam e assim permitiram a caminhada até os dias atuais.

“O aniversário de criação de uma Unidade reveste-se de importância ímpar, na qual temos a oportunidade de exercitar uma saudável reflexão, aproximando passado e futuro e, com isso, dando especial significado aos feitos atingidos, sempre com o estratégico olhar para o futuro, norte este imprescindível”, disse.

A bordo da aeronave P-95BM, o 3º/7º GAV vem desempenhando um papel importante na constante vigilância e proteção da Amazônia Azul, principalmente na área marítima que abrange todo o nosso litoral.

São inúmeras as operações realizadas para a proteção das águas brasileiras, quer sejam na fiscalização de atividades ilícitas de embarcações ou em acidentes ambientais.


Neste último, o destaque fica para a participação do Esquadrão Netuno na Operação Amazônia Azul, desencadeada em 2019 em virtude das manchas de óleo que apareceram na costa do Nordeste brasileiro.

Na ocasião, o Esquadrão voou 129:40 horas sobre o mar na busca de novas manchas, desempenhando papel fundamental no fornecimento de informações à Marinha do Brasil.

Um dos pilotos do Esquadrão, Tenente Aviador Dannyel Pontes Rodrigues, mesmo com pouco tempo na Unidade, já guarda na memória essa experiência.

“O Esquadrão auxiliou nas buscas de indícios que explicassem as quantidades exorbitantes de óleo que surgiram nas praias ao longo do litoral brasileiro. A sensação de estar contribuindo com o País, em escala nacional, e ser uma missão de grande importância ecológica e com grande repercussão nos enche de orgulho”, afirmou.

Para o Comandante do Esquadrão Netuno, Tenente-Coronel Marcos Okyama, é uma honra participar da história da Unidade.

“Tenho certeza de que as futuras gerações darão continuidade ao excepcional trabalho de todos aqueles que por aqui passaram. Ao Mar, nos Ares, o Rei! Salve a Patrulha”, bradou.

 

Esquadrão Netuno

Com a missão de vigiar as áreas marítimas, o 3º/7º GAV está hoje subordinado ao Comando de Preparo (COMPREP) para as missões de preparo operacional; ao Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) para as missões de emprego real; e, administrativamente, à Ala 9.

Ativado no dia 27 de setembro de 1990, o Esquadrão Netuno se destacou logo no primeiro ano. Nos primeiros três meses de existência, o 3º/7º GAV já havia formado três “Primeiro Pilotos” e 16 “Segundo Pilotos” de Patrulha, demonstrando um alto grau de comprometimento de seus integrantes.

Assim sendo, o Esquadrão Netuno completa a expressiva marca de 30 anos de existência e reveste-se de um importante papel na Força Aérea Brasileira (FAB), completando e fortalecendo as asas da Aviação de Patrulha, na manutenção da soberania em todo mar territorial brasileiro.

 

Via – FAB

DEIXE UMA RESPOSTA