Estudo aponta até 500 mil demissões no setor de aviação em 2020

Uma nova matéria lançada pela Bloomberg recentemente aponta que a aviação pode sofrer um corte de até 500 mil postos de trabalho em 2020. Essa quantia informada é para todos os países do mundo.

Cerca de 350 mil postos de trabalho já foram cortados na aviação desde o início da pandemia de forma mundial, ou seja, desde fevereiro. A expectativa é de um corte ainda mais acentuado, com uma fase de 25 mil demissões e outras de até 95 mil.

De acordo com Rowland Hayler, cofundador da consultoria Five Aero, alguns cortes ainda não foram anunciados mas devem acontecer. Estes completam as 150 mil demissões esperadas.

Ainda há, de acordo com ele, as demissões não divulgadas, geralmente realizadas em pequenas quantidades, mas que podem afetar ligeiramente o número final. A China, por exemplo, não divulga claramente dados sobre demissões.

Cerca de 200 mil funcionários foram demitidos somente pelas companhias aéreas. Em uma apuração do Portal Aeroflap, cerca de 10 mil funcionários foram demitidos somente no Brasil, que trabalham diretamente ou indiretamente (terceirizados) para companhias aéreas.

Os aeroportos vem em seguida, sendo que as fabricantes ainda relutam em fazer cortes, devido ao fator da mão de obra especializada. Vale ressaltar que as fabricantes são as mais afetadas atualmente, que tiveram pedidos cancelados, encomendas postergadas e projetos paralisados.

Cerca de 80% desses cortes de 350 mil postos de trabalho são na Europa e na América do Norte. Cerca de 50 mil demissões aconteceram somente no último mês, em agosto.


Os números da Five Aero não incluem possíveis anúncios de demissões, como mais de 20 mil cortes adicionais na Emirates e dezenas de milhares nos EUA.

 

Fonte: Bloomberg

DEIXE UMA RESPOSTA