Foto - COMAC/Reprodução

Nesta última quinta-feira (18/04) Tewolde Gebremariam, presidente do Grupo Ethiopian Airlines, declarou que iniciou conversas com a chinesa COMAC para negociar aeronaves do modelo C919.

A companhia não se comprometeu com um anúncio de encomendas ou intenção de compra, mas declarou que vai acompanhar o progresso de desenvolvimento da aeronave juntamente com a fabricante, a COMAC.

“Os engenheiros da Ethiopian Airlines estão trabalhando com engenheiros da COMAC para avaliar a adequação e capacidade dos aviões C919. A ET está atualmente considerando adicionar os aviões C919 à sua frota de aeronaves quando os aviões estiverem prontos para vendas”, disse Gebremariam.

Ele também disse que a companhia está trabalhando com o governo chinês para tornar a capital da Etiópia, Adis Abeba, um centro de tecnologia de aviação chinesa na África, com transferência de tecnologia entre os países.

O presidente do grupo Ethiopian não declarou se a companhia planeja substituir o 737 MAX pelo avião da COMAC.

O COMAC C919 se destaca por ser uma nova opção no duopólio da Airbus e Boeing no mercado de narrowbody, especificamente na categoria do A320neo e 737 MAX. Ele tem uma capacidade semelhante ao Boeing 737 MAX 7, para aproximadamente 165 passageiros em classe única. A aeronave também utiliza um motor da família CFM Leap, mas adaptado para o avião da COMAC.

O C919 acumula mais de 700 encomendas, todas para companhias aéreas da China, que receberam incentivos do governo para encomendar as aeronaves. Enquanto isso a COMAC luta para certificar o avião até 2020, após vários atrasos no programa de desenvolvimento da aeronave, que ainda está fora do cronograma ideal.