(Reuters) – A Etihad Airways, com sede em Abu Dhabi, espera retornar à lucratividade em 2023, ao final de um plano de recuperação de cinco anos, afirmou quarta-feira seu diretor comercial, Robin Kamark.

A Etihad sofreu seu terceiro ano consecutivo de perdas anuais em 2018, apesar de conseguir uma economia de quase meio bilhão de dólares ao cortar sua força de trabalho e frota.

Kamark disse a repórteres durante uma conferência de aviação em Abu Dhabi que a Etihad recebeu duas aeronaves Airbus A350-1000. Porém como sabemos, esses aviões estão estocados.

A companhia também cancelou recentemente 57 encomendas para aviões A350-900 e A350-1000, sobrando apenas 5 encomendas para o A350-1000, a entrega dessas aeronaves deve ser adiada pela Etihad Airways, que continuará operando com o A330, o 777-300ER e o 787 Dreamliner.

A companhia ressalta que o futuro da empresa está no A350-1000. Porém, o que vemos por fora é uma empresa tentando controlar os gastos excessivos, e investimentos mal feitos, que geraram um prejuízo de US$ 1,3 bilhão em 2018.