Javelin Estados Unidos Ucrânia
Foto: US Army

O Governo dos Estados Unidos aprovou uma ajuda adicional de US$ 100 milhões em material bélico para a Ucrânia. Maior parte dessa quantia é para destinar sistemas antitanque FGM-148 Javelin para uso dos militares ucranianos.

“Estes US$ 100 milhões são projetados para nos ajudar a atender a uma necessidade urgente ucraniana de sistemas anti-blindagem Javelin adicionais, que os Estados Unidos têm fornecido à Ucrânia”, disse o secretário de imprensa do Pentágono, John F. Kirby durante uma coletiva de imprensa no Pentágono. “Eles foram usados ​​de forma muito eficaz para combater o ataque russo à pátria ucraniana.” 

Kirby disse que o número total de sistemas Javelin enviados para a Ucrânia não corresponde necessariamente a um tipo específico de alvo, como tanques russos, por exemplo. Em vez disso, disse ele, o Javelin, embora projetado para uso anti-blindagem, é bastante versátil podendo até mesmo atingir helicópteros em baixa altitude.

O sistema Javelin é basicamente um míssil com parte eletrônica reutilizável. A ogiva é capaz de perfurar blindagens de veículos ou tanques. A unidade eletrônica detecta alvos através de ondas infravermelhas, que também servem para guiar o míssil com a ogiva, tornando o todo o sistema bastante assertivo quando em combate.

O Javelin pode atingir alvos localizados até 4,7 km do local de lançamento. Confira um pouco mais sobre o funcionamento no vídeo abaixo:

Os EUA também concordaram em enviar 100 sistemas não tripulados Switchblade, um drone de pequeno porte, para os ucranianos. Este é um armamento com possibilidade de uso remoto, e que pode atacar alvos em uma missão kamikaze. Kirby disse que esses drones já estão na Ucrânia ou chegarão lá em breve. 

Juntamente com os US$ 300 milhões em assistência militar anunciados no mês passado, disse Kirby, o compromisso total de assistência de segurança dos EUA à Ucrânia desde o início da invasão russa foi de mais de US$ 1,7 bilhão. 

Kirby ainda anunciou que alguns militares ucranianos estão nos Estados Unidos para treinamento militar.

 

Via: Departamento de Defesa dos EUA