Interceptação do dia 21 de maio entre um caça F-22 Raptor e um bombardeiro TU-95 Bear. (Crédito da imagem: NORAD)

Os EUA podem se retirar do Tratado de Céus Abertos, disse o presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, Eliot Engel. 

“Estou profundamente preocupado com relatos de que o governo Trump está pensando em se retirar do Tratado de Céus Abertos e o exorto veementemente a uma ação tão imprudente”, disse o parlamentar americano em uma carta ao consultor de segurança nacional da Casa Branca, Robert O’Brien. Conselheiro de Segurança Robert O’Brien.

O Tratado de Céus Abertos foi assinado em março de 1992 em Helsinque por 24 países membros da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Os principais objetivos do regime de céu aberto são desenvolver a transparência, prestar assistência no monitoramento do cumprimento dos acordos de controle de armas existentes ou futuros, ampliar as possibilidades de prevenção de crises e gerenciar situações de crise.

F/A-18 Super Hornet Growler- Foto: Boeing

O acordo tem uma importância estratégica para ambas nações que participam dela, pois como esse tratado é permitido voos de observação em espaço aéreo das nações participantes.

“Este tratado forneceu importante transparência militar a seus 34 países signatários desde que entrou em vigor em 2002. A retirada americana só beneficiaria a Rússia e seria prejudicial aos interesses de segurança nacional de nossos aliados e parceiros”, lê a carta, cujo texto foi divulgado pelo escritório de Engel. “O Tratado de Céus Abertos permite que os Estados Unidos e nossos aliados e parceiros na Europa monitorem os destacamentos militares russos. Os voos de observação nos termos do Tratado geraram informações adicionais sobre as ações militares russas na Ucrânia”.

Tanto a Casa Branca quanto o Departamento de Defesa dos EUA não comentaram tal questão.

SU-35 – Foto: © Marina Lystseva / TASS

O Tratado tem um grande envolvimento entre os EUA e a Rússia, pois ambas fazem parte. Segundo o Engel, as autoridades norte-americanas tem ciência da importância e das preocupações com as relações entre os EUA e a Rússia. 

“Apoio os esforços do governo para garantir a plena aplicabilidade do Tratado a Kaliningrado e aos territórios georgianos da Abkhazia e da Ossétia do Sul e apoio as restrições impostas aos voos russos sobre os Estados Unidos em resposta”, afirmou. 

Engel também diz que notou que as relações entre as nações se tornaram mais complicadas na última década.

 

Fonte de apoio: TASS / Adaptação: Aeroflap