Um F/A-18E Super Hornet do esquadrão VFA-192 Golden Dragons reabastece um caça stealth F-35B Lightning II do VMFA-211 Wake Island Avengers durante o treinamento de interoperabilidade entre aeronaves embarcadas no USS Carl Vinson e HMS Queen Elizabeth. Foto: Lt. Cmdr. Bart Crowder/US Navy.

Aeronaves de caça e guerra eletrônica embarcadas no porta-aviões nuclear USS Carl Vinson (CVN 70) da Marinha dos EUA realizaram um treinamento de interoperabilidade com caças stealth F-35B Lightning II do esquadrão VMFA-211 do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC) que se encontram embarcados no porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth. O exercício ocorreu no Mar das Filipinas no dia 26 de agosto.

A oportunidade marcou a primeira vez que aeronaves do Grupo de Batalha do Carl Vinson interagiram desta maneira com aviões embarcados no Grupo de Batalha 21 (CSG21) da embarcação do Reino Unido. No voo, as aeronaves realizaram missões para validar técnicas, táticas e procedimentos de integração conjunta, incluindo o reabastecimento aéreo, onde um caça F/A-18E Super Hornet transferiu combustível para os jatos furtivos. 

Foto: Lt. Cmdr. Bart Crowder/US Navy.

“Em um período muito curto de tempo, fomos capazes de combinar perfeitamente as capacidades coletivas das aeronaves de 5ª geração de duas forças e uma nação parceira, juntamente com o resto das capacidades avançadas de toda a nossa ala aérea”, disse o Capitão Tommy Locke, Comandante da Ala Aérea Embarcada 2 (CVW-2).

“Nosso grupo de ataque e ala aérea chegaram ao Indo-Pacífico prontos para demonstrar o valor de ter um poder marítimo ágil de 5ª geração na região – e não tenha dúvidas, estamos prontos para vencer.”

Um F/A-18E Super Hornet do VFA-192 Golden Dragons reabastece um F-35B dos Fuzileiros, junto de um EA-18G Growler do VAQ-136 The Gauntlets e caças F-35C do VFA-147 Argonauts. Foto: Lt. Cmdr. Bart Crowder/US Navy. 

Participaram do treinamento quatro caças F-35C Lightning II do esquadrão VFA-147 Argonauts, cinco F/A-18E/F Super Hornet dos esquadrões VFA-2 Bounty Hunters e VFA-192 Golden Dragons, dois jatos de ataque eletrônico EA-18G Growler do VAQ-136 The Gauntlets e uma aeronave de alerta antecipado E-2D Hawkeye do VAW-113 Black Eagles, todos embarcados no CVN-70, operando junto de dois F-35B do VMFA-211 Wake Island Avengers e outros dois F-35B do No. 617 Squadron (Dambusters) da RAF, desdobrados no Queen Elizabeth. 

A atual nau-capitânia da Marinha Real Britânica está em sua primeira viagem operacional desde que entrou em serviço. O CSG21 marca a maior força-tarefa naval britânica desde a Guerra das Malvinas em 1982 e conta com 18 caças F-35B embarcados no porta-aviões, nove do USMC e nove da RAF. 

Foto: Lt. Cmdr. Bart Crowder/US Navy.

“A integração dos F-35Bs do Reino Unido e dos Fuzileiros Navais dos EUA em um voo com os F-35C da Marinha dos EUA continua a reforçar a flexibilidade tática e a interoperabilidade do F-35”, disse o Coronel Simon Doran, Representante Nacional Sênior dos EUA no CSG21 do Reino Unido. “Além disso, a missão demonstra ainda mais a capacidade dos F-35 de apoiar operações marítimas distribuídas.”

Um F-35B do VMFA-211 decolando do HMS Queen Elizabeth com mísseis AIM-9X nos cabides externos. Foto: Coroa Britânica.

DEIXE UMA RESPOSTA