Clique Aqui e receba as principais Notícias da Aviação em tempo real diretamente no seu Whatsapp ou Telegram.

Aerion AS2
Conceito da Aerion para um avião supersônico de uso executivo.

O desenvolvimento de aeronaves supersônicas está avançando a cada dia que se passa, apesar da crise no setor de aviação comercial. Diversas empresas estão apostando em conceitos distintos, seja para o mercado executivo ou mirando as companhias aéreas.

E por este motivo a Federal Aviation Administration (FAA) reservou um espaço para o teste dessas aeronaves futuramente, sem interferir em áreas urbanas ou habitadas. 

O espaço é um corredor no meio do Kansas, um dos estados norte-americanos, onde as aeronaves podem atingir velocidades supersônicas sem o risco de danos por parte do “Boom Sônico”, mesmo que essas empresas estejam desenvolvendo com a NASA soluções para extinguir essa característica entre a passagem do regime subsônico para o supersônico.

A escolha foi realizada em acordo com o Governo do Estado do Kansas, analisando também critérios técnicos de ter aeroportos de alternativa, caso o voo tenha problemas, e também de distanciamento de outras cidades.

O corredor de 1200 quilômetros de comprimento tem autorização para voos com velocidade de até Mach 3 (aproximadamente 3700 km/h). 

Atualmente, devido ao Boom Sônico, a FAA só autoriza voos no continente com velocidade abaixo de Mach 1. No entanto, as empresas que estão produzindo esses novos aviões estão estudando formas de diminuir ao máximo o barulho e vibração da transição entre os regimes de velocidade, e a FAA está participando desse estudo.

Por esse motivo, voos supersônicos no continente só podem ser realizados por aeronaves comerciais com autorização especial da FAA, como neste caso.

Conceito da Boom para a aviação comercial. Foto: Boom Supersonic

A meta de empresas como a Boom e a Virgin é desenvolver um avião capaz de fazer voos supersônicos acima de continentes, possibilitando voos como de Paris para Dubai e Xangai com aviões de maior velocidade.

Na época do Concorde, a aeronave perdia a sua versatilidade e capacidade de uso, devido ao fato de só ser viável realizar voos supersônicos acima dos oceanos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA