FAA agora quer emitir todos os certificados de aeronavegabilidade do Boeing 737 MAX

Boeing 737 MAX
Foto - Divulgação

A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) assumiu controle sobre a certificação de aeronaves 737 MAX, afirmando que não permitirá à Boeing emitir os certificados de aeronavegabilidade que permitem o voo de aeronaves específicas.

A Boeing tinha anteriormente a capacidade de emitir certificados específicos de aeronaves, sob uma aprovação de projeto concedida pela FAA.

Os certificados de aeronavegabilidade permitem que cada novo 737 MAX está autorizado a voar. Os documentos serão agora emitidos somente depois que a FAA também emitir uma diretriz de aeronavegabilidade, isso vale para os aviões de testes e para aqueles produzidos em série.

“A FAA notificou a Boeing hoje (27/11) que a agência manterá a autoridade sobre a emissão de certificados de aeronavegabilidade para todas as aeronaves 737 MAX recém-fabricadas”, afirma a FAA em comunicado. “Essa ação está alinhada com o compromisso do administrador Steve Dickson de que a agência controla totalmente o processo de aprovação do retorno seguro da aeronave aos voos comerciais”.

A FAA diz que a mudança não afeta os aviões 737 MAX já entregues aos clientes. Os operadores dessas aeronaves, que já receberam certificados de aeronavegabilidade, precisarão “cumprir todas as alterações exigidas por uma diretriz de aeronavegabilidade da FAA que será emitida como parte dos requisitos da FAA para o retorno ao serviço dessas aeronaves”.

Essa emissão de certificados pode atrasar os planos da Boeing de entregar rapidamente os quase 400 aviões 737 MAX que já foram fabricados, e estão parados em diversas unidades da empresa desde a paralisação em março.

 

O retorno do Boeing 737 MAX


Solicitado a comentar sobre a mudança da FAA, a Boeing disse: “Continuamos trabalhando com a FAA no retorno seguro ao serviço do MAX”. A FAA acrescenta que seu trabalho no 737 MAX continua.

“A FAA não concluiu sua revisão das mudanças no projeto do 737 MAX e do treinamento de pilotos”, afirma. “A agência não aprovará a aeronave para retornar ao serviço até que tenha completado inúmeras rodadas de testes rigorosos”.

A Boeing afirmou que pretende que os órgãos reguladores certifiquem o 737 MAX antes do final do ano.

 

Via – FlightGlobal

DEIXE UMA RESPOSTA