FAA Apache Chinook Black Hawk Army
Dois Apache, um Black Hawk e um Chinook sobrevoaram o Nissan Stadium. Captura de tela.

A Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos está investigando um rasante de quatro helicópteros do Exército dos Estados Unidos.

O fato ocorreu em 14 de novembro, quando dois AH-64 Apache, um UH-60 Black Hawk e um CH-47 Chinook fizeram uma passagem baixa sobre o Nissan Stadium, em Nashville (Tennessee), na abertura do jogo de futebol americano entre o Tennessee Titans e o New Orleans Saints.

Segundo o The War Zone, a equipe de jornalismo investigativo do canal NewsChannel 5 foi a primeira a falar sobre a investigação do rasante pela FAA. O órgão já está em contato com a 101ª Divisão Aerotransportada, que opera os helicópteros. A organização militar tem como sede o Forte Campbell, no estado vizinho do Kentucky. 

O sobrevoo no Estádio ocorreu em 14 de novembro de 2021 como parte de uma “Saudação ao Serviço” para homens e mulheres das forças armadas dos EUA que a organização Titans incorporou ao jogo naquele dia. 

“A unidade que conduziu o sobrevoo está em contato com a FAA Nashville”, disse a Tenente-Coronel do exército Kari McEwen, porta-voz da 101ª Divisão, ao NewsChannel 5 Investigates. “No momento, não há revisão programada”.

“A FAA está acompanhando os militares sobre esse sobrevoo”, disse um porta-voz da agência noutro comunicado.

A passagem dos helicópteros certamente trouxe a vibração e aplausos de muitos fãs no jogo e de outros que viram as filmagens. Em contraste, a altura mais baixa que o normal também gerou discussões.

Alguns levantaram pontos de potencial preocupação incluindo a possibilidade de os helicópteros terem atingido alguma parte do estádio ao sobrevoar. Um vídeo filmado da cabine de um dos AH-64 mostra que o helicóptero estava abaixo do ponto mais alto do estádio durante o sobrevoo. Algum tipo de falha mecânica em uma altura tão baixa era outra preocupação, observa o portal.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Rotor Hub Collective 🚁 (@rotor.hub)

Um vídeo analisado pelo NewsChannel 5 parecia mostrar os helicópteros passando por um cabo. Quando o veículo pediu comentários, um porta-voz dos Tennessee Titans afirmou que isso era apenas uma “ilusão de ótica”, o que parece ser o caso.

Os regulamentos da FAA exigem que os sobrevoos militares “sejam realizados a 1.000 pés acima do obstáculo mais alto”, disse Larry Williams, inspetor de segurança da aviação aposentado, ao NewsChannel 5 Investigates. Se aeronaves civis estivessem envolvidas, “muito provavelmente esses pilotos teriam suas licenças suspensas ou revogadas”, acrescentou.

Dito isto, este é um problema recorrente para as forças armadas dos EUA e ações disciplinares foram tomadas contra pilotos que voaram em aeronaves de asa fixa à baixa altura  sobre eventos esportivos em violação a esses regulamentos no passado.

No entanto, um “Guia para aeronaves em voo baixo” disponível no site da FAA diz: “As operações de helicópteros podem ser conduzidas abaixo das altitudes mínimas definidas para aeronaves de asa fixa. O motivo: eles têm características operacionais únicas, a mais importante das quais é sua capacidade de executar pousos de emergência pontuais durante emergências de falta de energia.” 

O guia também que inclui uma advertência diz que “helicópteros podem ser operados abaixo do mínimo prescrito … [nesta seção] se a operação for conduzida sem perigo para pessoas ou propriedade na superfície.” Não está claro se algum regulamento do Exército se aplicou neste caso, além das diretrizes da FAA para sobrevoos de asa rotativa ou se alguma isenção foi garantida com antecedência.

Em resposta às perguntas do NewsChannel 5 Investigates, a FAA respondeu dizendo que “não comentamos as investigações pendentes.” Isso deixa claro que sua resposta a este sobrevoo agora entrou em uma nova fase.

O General Joseph McGee, chefe da 101ª Divisão Aerotransportada “dirigiu [uma] investigação preliminar sobre este evento”, disse o Tenente-Coronel do Exército dos EUA Terence Kelley, porta-voz da Força, separadamente ao Army Times.

DEIXE UMA RESPOSTA