A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) informou que está convidando altos funcionários da aviação civil de todo o mundo para uma reunião no dia 23 de maio, para discutir questões de segurança e operacionalidade do Boeing 737 MAX.

Nesta reunião a FAA declarou que “fornecerá especialistas em segurança para responder quaisquer perguntas que os participantes tenham relacionado às suas respectivas decisões de devolver a frota ao serviço”.

Fora isso a Boeing não deve participar ou interferir na reunião, de acordo com a FAA.

Essa reunião faz parte de uma etapa de certificação da nova atualização de software do 737 MAX, que começará a ser avaliada nessa segunda-feira (29/04) em cooperação com outros 9 órgãos reguladores de diversos países, incluindo a ANAC, do Brasil.

A China, a Agência Europeia para a Segurança da Aviação, o Canadá, o Brasil, a Austrália, o Japão, a Indonésia, Singapura e os Emirados Árabes Unidos vão participar na revisão que terá a duração de 90 dias, informou a FAA.

A expectativa é colocar o 737 MAX em atividade já no mês de agosto, após uma paralisação de aproximadamente 370 aeronaves que perdura desde março deste ano, após dois acidentes com 5 meses de diferença entre eles, e características similares.

A Boeing trabalha desde novembro desenvolvendo essa atualização de software, que corrige problemas no sistema de controle de voo da aeronave, incluindo o comportamento inadequado do MCAS.

 

Fonte de apoio – Reuters