Boeing 737 MAX

As companhias aéreas afetadas por um problema elétrico do Boeing 737 MAX esperavam um boletim oficial de serviço para essa semana, com os detalhes para as correções que serão realizadas no 737 MAX, possibilitando a retomada de voos com a aeronave. No entanto, a FAA solicitou mais um documento para a Boeing.

A FAA pediu para a Boeing descrever como vários subsistemas do 737 MAX não serão afetados pelas correções apresentadas pela fabricante aos operados.

Vale ressaltar que a Boeing já sabe como resolver o problema, e enviou um boletim de serviço para as companhias aéreas com as correções necessárias no último fim de semana.

A decisão da FAA pode atrasar a execução do serviço pelas companhias, visto que a correção precisará passar por uma verificação adicional por parte da Boeing e das autoridades regulatórias. Consequentemente, os 109 aviões já entregues e que foram afetados pelo problema, vão ficar mais tempo em solo.

O boletim de serviço da Boeing também será revisto pela FAA, e pode sofrer alterações para garantir um retorno seguro dessas aeronaves às operações.

Ao todo são três correções no sistema elétrico da aeronave, para evitar problemas de aterramento de energia, que a Boeing resumiu em apenas uma interligação entre os sistemas de aterramento com um cabo adicional, mostrando que a solução resolveu o problema encontrado até então e até mesmo questões de pico de tensão.

A Boeing diz que executar essa solução de acordo com o primeiro boletim de serviço pode levar algumas horas ou dias por aeronave.

Os problemas no sistema de aterramento envolvem o painel de instrumentos principal da aeronave, onde as quatro telas estão localizadas, bem como no rack que abriga a unidade de energia de stand-by da aeronave. Também há uma falha no isolamento eletromagnético dos motores.

 

Todas as informações são da Reuters, bem como as fontes.