Mil Mi-35 AH-2 Sabre FAB
O AH-2 Sabre disparando foguetes S-8 de 80mm. Foto: Cabo V. Santos/FAB.

EXCLUSIVO – Os dois últimos helicópteros de ataque Mil Mi-35 Hind da Força Aérea Brasileira (FAB) estão neste momento se descolando para o Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa (PAMA-LS), em Minas Gerais, onde serão desativados. Chamados de AH-2 Sabre, estes são os únicos helicópteros puramente de ataque, bem como as únicas aeronaves russas, na frota brasileira.

Uma fonte, que pediu para não ser identificada, confirmou ao AEROFLAP que os AH-2 Sabre de matrícula 8960 e 8961 estão indo da Base Aérea de Porto Velho (BAPV) para Cuiabá (CGB), passando pela Base Aérea de Campo Grande (BACG), São José do Rio Preto (SJP) e finalmente chegando ao PAMA-LS.

FAB MI-35 AH-2 Sabre
AH-2 Sabre sobrevoando Cuiabá nesta quarta-feira (03). Foto: João Pedro Tavares.

Enquanto um dos helicópteros será estocado no PAMA-LS, existe a possibilidade de que o outro seja preservado no Museu Aeroespacial (MUSAL) no Rio de Janeiro, acrescentou a fonte. A previsão é de que os helicópteros cheguem ao PAMA-LS na quinta-feira (03); a aeronave do MUSAL deve chegar ao seu novo lar no dia seguinte.

Um terceiro AH-2, de matrícula 8962, já foi enviado para o PAMA-LS, tendo iniciado seu deslocamento no dia 25/07. Outros três helicópteros, 8951, 52 e 53, permanecem em Porto Velho, mas já não voam mais. Estes também foram os primeiros helicópteros desativados. 

Dessa forma, a FAB está concluindo a desativação operacional dos AH-2, autorizada em fevereiro e iniciada pelo Comando da Aeronáutica em março deste ano, com a aprovação da DCA 400-100. 

Imagem via mídias sociais.

A aposentadoria dos helicópteros de ataque também deixa um destino incerto ao Esquadrão Poti (2º/8º GAv), que operava os Mi-35 em Porto Velho (RO). A mesma fonte acrescentou que existe a possibilidade da unidade ser desativada, ou seguir em operação com helicópteros H-60 Black Hawk, mas diz que até agora não há qualquer garantia disso.

Também não há informações quanto ao destino final dos helicópteros. As aeronaves são modernas e tem cerca de 14 anos, apresentando um bom valor de mercado. 

O AEROFLAP entrou em contato com o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica nesta tarde. A organização militar não respondeu ao pedido de comentários do portal até o momento da publicação desta matéria.