Militares de Israel e Itália com um F-35I durante o Falcon Strike 2021. Foto: Força Aérea de Israel.

Israel, Estados Unidos, Itália e Inglaterra se unem na Base Aérea de Amendola, na Itália, para o exercício Falcon Strike 2021. O treinamento será realizado entre os dias 06 e 15 de junho e também marca o primeiro desdobramento internacional dos caças F-35I ‘Adir’ da Força Aérea Israelense (IAF). 

Diversas aeronaves participarão do exercício multinacional na Europa: a Força Aérea Italiana (AMI) empregará caças F-35A e B, F-2000 Typhoon, jatos de ataque Panavia Tornado e A-11B Ghibli (AMX), jatos de treinamento M346, aeronaves de reabastecimento KC-767 e de alerta antecipado G550 AEW. 

Israel enviou, além dos seis F-35, dois 707 ‘Re’em’ de reabastecimento em voo e um G550 ‘Nachshon Eitam’, também de alerta antecipado. Caças F-35B da Força Aérea Real e do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, embarcados no porta-aviões inglês HMS Queen Elizabeth, participarão do treinamento. A USAF participa com os F-16 Fighting Falcon sediados em Aviano, na Itália. 

Caças F-35A da Força Aérea Italiana e F-16C da Força Aérea Americana na Base Aérea de Aviano durante o Exercício Astral Knight 2021, realizado em maio. Foto: Airman 1st Class Brooke Moeder/USAF.

Segundo a USAF, o Falcon Strike 2021 “otimiza a integração entre aeronaves de quarta e quinta geração, aumenta o nível de cooperação nos campos logístico e expedicionário dos F-35 e fortalece a interoperabilidade das forças aéreas aliadas e parceiras durante as operações conjuntas.”

O exercício também da oportunidade de testar e melhorar o conhecimento técnico e tático compartilhado, aumenta a prontidão para o combate, fortalece laços entre aliados e parceiros e oferece aos participantes a oportunidade de desenvolver capacidades de planejamento e condução de operações aéreas complexas, levando a um nível avançado de treinamento.

Falando ao Times of Israel, um membro sênior da IAF reconheceu que o Falcon Strike também tem como objetivo a preparação de pilotos de F-35I para empregar o caça contra forças do Irã: “O Irã está em nosso foco”, disse o oficial, falando a repórteres sob condição de anonimato.

Pilotos de F-35I de Israel e de F-16 dos EUA durante o Falcon Strike 21. Foto: Força Aérea de Israel.

“O exercício ‘Falcon Strike’ fortalece nossa cooperação estratégica multirregional com as nações europeias e com os Estados Unidos. O exercício permite que a Força Aérea israelense aprimore suas capacidades operacionais em uma nova e distante área, em um ambiente desconhecido. Isso cria um desafio para os pilotos de ‘Adir’ e lhes dá a oportunidade de experimentar ameaças avançadas ao lado de F-35 de outras forças aéreas”, disse o Comandante da IAF, Major-General Amikam Norkin. 

Israel adquiriu um total de 50 caças F-35I Adir, tendo recebido suas duas primeiras unidades em 2016. Em abril, a IAF recebeu mais três caças, incorporados à frota do 116 Squadron, o Southern Lions, aumentando para 27 o número de aeronaves do modelo em serviço em Israel. 

De acordo com o Times of Israel, é previsto que até 2024 a IAF receba mais 23 caças, fechando a frota com 50 aeronaves de quinta geração.

Militares de Israel e Itália com um F-35I durante o Falcon Strike 2021. Foto: Força Aérea de Israel.