A Northrop Grumann terminou recentemente uma versão inicial do projeto do bombardeiro B-21, a nova geração sucessora do stealth B-2.

O vice-comandante militar da Força Aérea dos EUA, Arnold Bunch, disse em uma audiência no Senado que a revisão crítica do projeto é o próximo passo antes que a montagem da primeira aeronave possa começar. A revisão será realizada conjuntamente pela USAF, para definir os detalhes da aeronave.

O grande ponto é que a USAF poderá encomendar mais bombardeiros depois que o projeto estiver pronto, visto que os comandantes terão uma noção do preço final da aeronave, e assim poderão adequar ao orçamento da Força Aérea dos EUA.

O programa deverá custar cerca de US$ 80 bilhões e está cercado de um grande mistério, já que o desenvolvimento de uma aeronave militar de nova geração requer sigilo absoluto, para que nenhuma nova tecnologia esteja nas mãos dos inimigos.

A Força Aérea Americana planeja substituir uma grande quantidade de bombardeiros B-52 e B-1 pelo novo B-21, e por isso o contrato prevê a construção inicial de 100 aeronaves, mas um aumento na encomenda total servirá para também iniciar a substituição do B-52 depois de 2040.

Atualmente a USAF tem 20 bombardeiros Northrop B-2 Spirit, de 5ª geração, e 62 bombardeiros Boeing B-1B Lancer.

A encomenda adicional foi citada pelo Tenente General Jerry Harris, vice-chefe de equipe de planos e requisitos estratégicos, que pareceu indicar que a USAF pode pedir financiamento para adquirir dezenas de Raiders B-21 a mais.

De acordo com Harris, a finalidade é formar 16 esquadrões completos de combate.