F-16 Block 70/ Arte-Lockhhed Martin

A Força Aérea dos EUA quer desenvolver um Lockheed Martin F-16 como commodity para facilitar a compra de aeronaves de combate por aliados e parceiros estrangeiros.

O serviço está de olho em um lutador como seu próximo projeto, após a criação de um veículo aéreo não tripulado (UAV) MQ-9 Reaper como commodity em coordenação com o fabricante General Atomics Aeronautical Systems, diz Kelli Seybolt, vice-secretário da Força Aérea dos EUA (USAF) para operações internacionais. assuntos, no show aéreo de Cingapura.

A USAF acredita que a quantidade de customização aplicada em aeronaves compradas por meio de vendas militares estrangeiras complica o processo e aumenta os custos. Ao criar uma versão padrão ou “como commodity”, o serviço acredita que pode facilitar a compra da American.

Lockheed Martin F-16 Block 70- Foto Lockheed Martin

“Isso criaria uma situação em que teríamos uma plataforma MQ-9 padrão que os países pudessem entrar e comprar. É como comprar um carro”, diz ela. “A comoditização permitirá que eles tenham menos riscos ao procurarem a plataforma porque saberão o preço ou o que estão recebendo”. O conceito está sendo refinado primeiro com o MQ-9, diz Seybolt.

Uma aeronave de commodity incluiria um preço padrão e um custo operacional padrão. E assim, evitaria uma personalização cara.

“Um dos desafios dos programas em geral é quando os países começam a olhar realmente para o que querem e criando ou tendo aspectos de desenvolvimento”, diz Seybolt. “É aí que você adiciona custo e risco”.

A Lockheed Martin disse em uma chamada de ganhos financeiros em outubro de 2019 que acreditava que poderia aumentar sua carteira de pedidos de F-16 no curto prazo de 30 para 90 unidades, com base na demanda da Ásia e do Oriente Médio. Na Ásia, os clientes em potencial incluem Taiwan, Índia, Indonésia e Filipinas.


 

DEIXE UMA RESPOSTA