A Força Aérea Brasileira (FAB), por meio da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), assinaram Memorando de Entendimento, que visa a implementação e operação de sistemas espaciais de sensoriamento remoto, em consonância com o Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE).

A assinatura do acordo de colaboração ocorreu no gabinete do Comando da Aeronáutica, em Brasília (DF), nesta quarta-feira (08).

Participaram da audiência o Comandante da Força Aérea, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato; o Presidente da CCISE, Major-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar; o Ministro do MAPA, Blairo Maggi; o Diretor Executivo de Inovação e Tecnologia da Embrapa, Cleber Oliveira Soares; a Analista de Geoprocessamento da Embrapa, Lucíola Alves Magalhães, além de oficiais-generais da FAB.

Foto – FAB

De acordo com o Presidente da CCISE, Major-Brigadeiro Aguiar, o Projeto Carponis-1 viabilizou a assinatura do memorando. Este será o primeiro satélite de sensoriamento remoto óptico brasileiro a gerar imagens de alta resolução de todo o território nacional e de áreas de interesse estratégico do país. A cooperação entre os órgãos possibilitará a aplicação dual (civil e militar) desses sistemas, garantindo a soberania nacional, bem como geração de conhecimento nos mais diversos campos de aplicação.

Com a previsão do Carponis-1 ser lançado em órbita no ano de 2022, a FAB e o MAPA identificaram possíveis contribuições diretas na produção agropecuária do país. “Esta é uma parceria onde os dois lados ganham. A partir do satélite, a Embrapa ganha qualidade de imagens e, logicamente, um serviço melhor executado, e nós ganhamos melhores imagens na área de defesa”, disse o presidente da CCISE.

Durante a assinatura do documento, o Tenente-Brigadeiro Rossato lembrou o papel da Força Aérea com a área espacial, dentro do Ministério da Defesa.

Foto – FAB

“Nós temos a responsabilidade de coordenação com os demais órgãos. E, a Embrapa trabalha há muito tempo com isto, com uso de diversas tecnologias. Nos encaixávamos perfeitamente dentro do conceito do Ministério da Agricultura. Além disso, a dualidade do espaço forma um grupo grande de interesses, onde poderemos concentrar as imagens e os processos de análises de forma mais econômica. Até hoje, cada um comprava o seu produto. Então, nos pareceu interessante esta oportunidade. Tenho certeza que é um começo bom para o futuro satélite”, disse o comandante.

O Ministro Blairo Maggi também ressaltou a importância do acordo. “Nós temos condição de apoiar um ao outro e colaborar para o imageamento do território brasileiro. A Embrapa tem um centro específico e este memorando abre a possibilidade para que os órgãos possam trabalhar em conjunto”, disse.

 

Via – Força Aérea Brasileira