Com o objetivo de minimizar os impactos no sistema de saúde da região Norte, a Força Aérea Brasileira (FAB) já realizou o transporte de 574 pacientes dos estados do Amazonas (AM), Rondônia (RO) e Roraima (RR) para outras localidades do Brasil. O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) é a Organização responsável pelo acionamento das aeronaves para o cumprimento das missões.

O primeiro voo, saindo da Ala 8, em Manaus (AM), transportando pessoas com COVID-19, ocorreu em 15 de janeiro do corrente ano. Desde então, os pacientes já foram removidos para 19 destinos diferentes: Teresina (PI), São Luís (MA), João Pessoa (PB), Natal (RN), Goiânia (GO), Brasília (DF), Belém (PA), Vitória (ES), Maceió (AL), Recife (PE), Uberaba (MG), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Palmas (TO), Florianópolis (SC), Santa Maria (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Campina Grande (PB).

Na quinta-feira (04), um C-99 decolou, às 18h55 (horário de Brasília), da Ala 8, em Manaus (AM), transportando 15 pacientes, e pousou, às 20h40, em Belém (PA). Na quarta-feira (03), outro C-99 decolou de Manaus para Campina Grande (PB), com 15 pacientes. Já na terça-feira (02), a bordo de um C-99, o Primeiro Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (1º/2º GT) – Esquadrão Condor transportou, também de Manaus, para Santa Maria (RS), 15 pacientes. 

O Comandante de uma das aeronaves, Capitão Aviador Márcio Delibaldo Blumer, destacou o orgulho por realizar a missão e contribuir com o transporte de mais de 500 pacientes. “Tendo em vista a situação vivenciada na região Norte e a dificuldade logística em termos geográficos, além da complexa estrutura montada na aeronave para viabilizar este tipo de operação, hoje tornou-se um dia muito especial na minha carreira de piloto militar”, disse o Oficial.

A FAB, no intuito de dar celeridade ao transporte de pacientes, disponibiliza duas aeronaves C-99 do Esquadrão Condor, em alerta 24 horas por dia, na Ala 8, em Manaus, de onde partem a maioria dos voos transportando enfermos de COVID-19. Outras aeronaves, como o C-105 Amazonas, também são empregadas nas remoções.

Atuação dos profissionais de saúde

Nas missões que a Força Aérea realiza para o transporte de pacientes acometidos com o novo Coronavírus, profissionais de saúde atuam no acompanhamento durante todo o voo. A Chefe do Departamento de Urgência e Emergência da capital do estado do Amazonas e membro da equipe de Transporte de Remoção Interestadual, Enfermeira Bruna Alves Machado, destaca que as remoções significam a possibilidade de aumentar e otimizar o número de atendimentos hospitalares em Manaus.


Esta ação dá, ainda, a possibilidade de uma continuidade no cuidado seguro para estes pacientes. Significa não somente dar mais qualidade ao tratamento, mas também permitir que, com respeito e compromisso, premissas da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas, estas pessoas tenham uma breve recuperação”, destaca.

A enfermeira explica que, para a transferência de cada paciente, o processo se inicia com a avaliação médica e a abordagem psicossocial, ainda no leito das Unidades. Em seguida, a equipe do Complexo Regulador do Amazonas procede com a documentação necessária, como assinatura do termo de consentimento. A etapa seguinte é o acionamento do transporte terrestre até a Ala 8. “Os pacientes são conduzidos até a aeronave, conforme protocolo de transporte, sendo avaliados pela equipe médica e acomodados em seus lugares, com todo suporte assistencial necessário, para então serem transferidos para a Unidade de destino”, completa a profissional. 

A Tenente Enfermeira Jaqueline Coutinho Silverio Ribeiro, que faz parte da equipe aeromédica do Hospital de Aeronáutica de Manaus (HAMN), destaca a atuação durante as missões de transporte de pacientes. “É gratificante participar desse momento, prestando apoio e cuidando de pacientes com COVID-19, dando a eles todos os cuidados e o atendimento necessário e adequado nesse momento de pandemia”,  completa. 

Operação COVID-19

O Comando da Aeronáutica está dedicando permanentemente o esforço do seu efetivo e de suas aeronaves, 24 horas por dia e sete dias por semana, em atendimento às necessidades da sociedade brasileira no enfrentamento à pandemia da COVID-19. Proteger os cidadãos é uma das funções precípuas das Forças Armadas. Nesse intuito, o Ministério da Defesa, a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira enfrentam, juntos, o novo Coronavírus no País. A Operação ocorre em um espaço territorial de grandes proporções, nas 27 unidades federativas, com características e necessidades diferentes, e com uma população de cerca de 210 milhões de pessoas.

Infográfico: FAB

As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, dentre outras. Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em dez Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, bem como no COMAE. Esses Comandos reúnem militares das três Forças, que desenvolvem esforços no cumprimento das missões.

Acompanhe a página especial sobre a atuação da FAB na Operação COVID-19.

 

Fonte: Força Aérea Brasilera

Fotos: Elos do Sistema de Comunicação Social da Aeronáutica (SISCOMSAE)