MQ-9 Reaper da Força Aérea Francesa. Foto: Ministério da Defesa Francês.

A França está em negociações com a General Atomics Aeronautical Systems (GA-ASI) para atualizar sua frota de 12 drones armados MQ-9 Reaper. Com a modernização, os drones passarão a ter 30 horas de autonomia desarmados, ou 24 horas armados. 

Além das negociações com a fabricante, a Direção Geral de Armamentos (DGA), agência responsável pela aquisição de material bélico, negocia com os Estados Unidos a integração de casulos de Inteligência de Sinais (SIGINT) nos drones.

A França optou por um produto pronto para uso feito nos EUA, mas também está considerando o desenvolvimento de um sistema nativo.

Militares carregando uma bomba guiada a laser em um MQ-9 Reaper. Foto: Ministério da Defesa Francês.

A GA-ASI fez uma oferta separada à França para um pod de autodefesa para drones. O pod é equipado com um sistema de interferência eletrônica e lançadores de flares projetados para aumentar a capacidade de sobrevivência do MQ-9 em ambientes contestados.

A França também receberá um novo simulador de missão completo desenvolvido pela empresa canadense CAE, que ficará baseado na região de Cognac, para treinar os operadores de drones.

Christophe Fontaine, diretor regional da GA-ASI na Europa, explicou que, embora a França esteja determinada a receber essas diferentes atualizações, as negociações sobre o preço e o cronograma de entrega das novas capacidades ainda estão em andamento.

Via Janes