GE Ciclo Adaptativo F-35

O motor de ciclo adaptativo da GE Aviation é uma grande promessa para os próximos aviões supersônicos. O componente fornece o melhor da propulsão em regime de voo subsônico e supersônico.

E recentemente a GE concluiu os primeiros testes com o protótipo XA100, o primeiro motor fabricado pela empresa de ciclo adaptativo voltado para o mercado. O projeto conta com um importante financiamento da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), e o desenvolvimento está ocorrendo desde 2007.

A GE disse que os testes com o XA100 começaram em dezembro de 2020. Desde então o conceito está sendo testado em laboratório, para aferir o desempenho e comportamento mecânico do motor.

O motor atendeu aos objetivos do Programa de Transição do Motor Adaptável da USAF (AETP), diz a empresa.

“Ficamos excepcionalmente satisfeitos com o desempenho do motor durante o teste”, disse David Tweedie, gerente geral da GE Edison Works para motores de combate avançados. “Estamos ansiosos para trabalhar com a Força Aérea e outras partes interessadas para identificar os próximos passos para trazer essa capacidade revolucionária da célula de teste para as mãos do guerreiro.”

O programa AETP pretende desenvolver diversas tecnologias que podem tornar os motores supersônicos até 25% mais eficiente no consumo de combustível, o que com outras melhorias poderia resultar em um consumo até 30% menor por aeronave supersônica.

O vídeo abaixo mostra o motor alternando entre os três ciclos:

Um motor de ciclo adaptativo propõe acrescentar um fluxo secundário do fluxo de ar em condições de velocidade de cruzeiro, esse duto secundário pode ser fechado quando é necessário acelerar rapidamente. No vídeo acima também podemos perceber que há um duto onde somente há passagem de ar frio, este pode até ser utilizado para diminuir a temperatura do motor, aumentando a eficiência na parte quente do mesmo.

Ao contrário de um motor turbofan comum, onde o ar só tem dois caminhos para passar, o de ciclo frio e o de ciclo quente, sendo que este último é queimado na câmara de combustão.

Este motor provavelmente terá como primeira aplicação em uma versão motorizada do Lockheed Martin F-35, atualmente equipado com os motores Pratt & Whitney F135. A melhor eficiência deste motor, principalmente em regime subsônico, permite um maior alcance para o F-35, seja em situação de combate ou voo de transferência.