GE demite 70 trabalhadores devido à queda na produção de motores do 737 MAX

Após reduzir a produção dos motores Leap-B, que equipam o 737 MAX, para este ano, a GE Aviation precisou demitir 70 funcionários temporários das suas instalações em Bromont, Quebec (Canadá).

Esses trabalhadores representam cerca de 13% da equipe da 900 funcionários da GE Aviation em Bromont, onde a empresa realiza trabalhos de engenharia, robótica e produção de vários motores, incluindo os Leap-1.

A GE Aviation não tem demissões adicionais em “grande escala” planejadas, mas não pode descartar pequenos ajustes na equipe em alguns locais, diz o documento.

A GE Aviation também respondeu aos problemas do MAX transferindo funcionários das atribuições do Leap para os que envolvem outros motores e para as funções de fabricação de peças de reposição.

De acordo com a joint-venture CFM, em 2020 a empresa vai alocar 58% da sua produção do Leap-1 para os motores que equipam os aviões da família A320neo, e 42% da produção para os motores Leap-1B do Boeing 737 MAX.

A divisão de produção estava mais próxima de 50/50 em meses anteriores, e a taxa reduzida de produção da Boeing potencialmente limita a capacidade da Boeing de otimizar rapidamente sua produção quando o avião puder voar novamente.

A decisão do CFM descreve que a crise do 737MAX se estenderá além do cronograma esperado. A Boeing está interrompendo a produção do 737 MAX neste mês, após ficar sem espaço para estocar mais aeronaves.


 

DEIXE UMA RESPOSTA