GOL Linhas Aéreas

A GOL Linhas Aéreas (B3:GOLL4) anunciou hoje (08/06) que firmou um acordo para a aquisição da MAP Transportes Aéreos Ltda., uma empresa aérea brasileira doméstica com rotas para destinos regionais e do Aeroporto de Congonhas em São Paulo.

“Essa operação reflete o compromisso contínuo da Companhia em expandir a demanda brasileira por transporte aéreo, em linha com o que sua Administração entende ser uma oportunidade diferenciada para consolidação racional no mercado local, à medida que a economia do país se recupera da Covid-19”, disse a companhia em nota oficial.

“Ao longo do último ano enfatizamos, consistentemente, que a GOL estava bem-posicionada para o crescimento no ciclo pós-pandêmico, decorrente da prudente gestão financeira e do nosso eficiente modelo operacional, que nos diferenciam no mercado”, disse Paulo Kakinoff, CEO.

“Esta aquisição é um passo importante da nossa estratégia de expansão de malha e capacidade, à medida em que buscamos revitalizar a demanda por viagens aéreas de lazer e a negócios. Assim, a Companhia está investindo ainda mais no mercado de transporte aéreo regional com destaque para a região Amazônica, apoiando o desenvolvimento econômico local e fortalecendo as nossas operações no Aeroporto de Congonhas.”

A MAP será adquirida por R$28 milhões em dinheiro e ações, a ser pago após o cumprimento de todas as condições precedentes, composto por 100.000 ações GOLL4 a R$28 por ação e R$25 milhões em dinheiro a serem pagos em 24 parcelas mensais. No fechamento, a GOL assumirá até R$100 milhões de compromissos financeiros da MAP.

Foto – MAP/Divulgação

Fundada em 2011, a MAP é a quinta maior empresa aérea brasileira, com uma frota de sete aeronaves ATR com 70 assentos que operam em rotas da região amazônica a partir de Aeroporto de Manaus e nas regiões Sul e Sudeste a partir de Congonhas, o maior aeroporto doméstico do país.

A efetivação dessa transação reforçará o posicionamento de liderança da GOL em duas das suas principais bases, com crescimento em CGH de aproximadamente 10%, por meio da adição de 26 voos diários.

A GOL não divulgou oficialmente, porém, em uma pesquisa do Portal Aeroflap em matérias publicadas anteriormente, o número de 26 slots em Congonhas é o total que a Passaredo e a MAP detém atualmente. Deste modo, podemos afirmar que a compra pode incluir boa parte da VoePass (Passaredo + MAP) na negociação.

Imagem: ANAC

Em um comunicado oficial, a VoePass divulgou que continua operando voos normalmente, e assumirá as operações da MAP no Norte do país. Contudo os slots em Congonhas ficam com a MAP.

“Acreditamos que essa negociação marca o início do processo de retomada da empresa, assim como o reaquecimento da economia, permitindo que possamos reestabelecer o volume das operações e garantir uma margem operacional que possa fazer frente a todos os nossos compromissos, de uma forma saudável e perene”, disse o Comandante Felício, presidente da VoePass. “Foi uma decisão estratégica para a VOEPASS, pois permitirá uma redução do endividamento, além de permitir o aumento da operação dos contratos de compra de “capacidade (CPAs).

Com esta compra, a GOL disse que poderá atender novos destinos, conectando a maior cidade da América do Sul com mercados domésticos historicamente sub-ofertados, à medida em que as restrições resultantes da pandemia são reduzidas ou eliminadas.

A GOL preserva a estratégia de frota única para atender essas novas rotas de forma sustentável e econômica. A Companhia também possui flexibilidade adicional para avaliar novos tipos de aeronaves ou parcerias que possam atender esses mercados regionais com melhor eficiência de custos, sem qualquer obrigação futura no que se refere à frota atual da MAP.

Os ATRs da MAP serão substituídos por aeronaves maiores e mais eficientes, dando continuidade à estratégia regional da GOL, que hoje opera com 23 Boeing 737-700 – um modelo que pode ser substituído por outro tipo de aeronave ainda mais eficiente no futuro.

Kakinoff acrescentou: “Acreditamos que a aquisição da MAP seja, nesse momento, a única oportunidade viável de consolidação racional no mercado de aviação brasileiro. Daqui para frente, continuaremos focados na estratégia de crescimento orgânico, estimulando a demanda para expansão de nossa malha.”

A conclusão da Transação está condicionada a determinadas condições precedentes, incluindo aprovações e confirmações pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

 

Via: GOL Linhas Aéreas