Junho fechou com uma leve alta na demanda de novos passageiros, marcando o 16º mês consecutivo de crescimento do setor no Brasil. No total o mês obteve um resultado positivo em 5,19% para o mercado doméstico de aviação, comparando com o mesmo período de 2017.

Boa parte desse crescimento exacerbado teve como causa um aumento de 8,2% na oferta geral das companhias aéreas, para o mercado doméstico de aviação. Essa oferta maior que a demanda foi a causa de uma taxa de ocupação geral menor, que caiu para 78,01%, uma queda de 2,23 pontos percentuais.

Foram transportados aproximadamente 7,1 milhões de passageiros nos voos domésticos em junho, alta de 3,66%.

No mercado doméstico a GOL continuou na liderança, com uma significativa vantagem para a LATAM, segunda colocada. A Azul e a Avianca seguem em suas posições anteriores, mesmo que tenham ganhado participação das duas grandes desde 2015.

Participação do mercado doméstico em junho de 2018:

GOL: 35,93%

LATAM: 31,42%

Azul: 18,89%

Avianca: 13,76%

 

Acumulado do ano

Já no acumulado do ano, considerando o primeiro semestre, a aviação doméstica registra alta de 4,27% na primeira metade de 2018 em relação ao mesmo intervalo de 2017. A oferta tem expansão semelhante, de 4,31%.

Neste período as quatro companhias transportaram 44,5 milhões de passageiros.

Participação do mercado doméstico no acumulado de 2018:

GOL: 35,70%

LATAM: 31,95%

Azul: 18,49%

Avianca: 13,86%

 

Mercado Internacional

Azul foi o grande destaque, assumindo a vice-liderança isolada no internacional. Foto – Marcos Junglas/Azul Linhas Aéreas

Já o mercado internacional, considerando apenas as companhias aéreas nacionais, teve um crescimento da demanda de 16,63% um junho, na comparação com igual mês de 2017.

Enquanto isso no mesmo período a oferta teve alta de 23,77%, também comparando com o mesmo período de 2017. Ao todo foram transportados 656 mil passageiros no mês em voos internacionais.

A taxa de ocupação média registrou uma forte baixa, devido à oferta excessiva das companhias, com queda de 4,90 pontos percentuais e registrando 80,01%.

Na participação de mercado, vale ressaltar o fato que a GOL perdeu a segunda colocação para a Azul no decorrer deste ano, e a Avianca aproveitou para assumir a terceira posição, colocando a laranjinha na lanterna do ranking em plena alta temporada.

Nos valores mensais a GOL ainda pode reverter esses dados em 2018, devido aos novos voos diretos para os Estados Unidos a partir de novembro.

Participação do mercado internacional em junho de 2018 (entre as empresas brasileiras):

LATAM – 69,86%

Azul – 17,26%

Avianca – 6,75%

GOL – 6,12%

 

Acumulado do ano no mercado internacional

Já no acumulado do ano, considerando o primeiro semestre, a demanda teve alta de 15,80%. Essa demanda foi impulsionada pela alta de 19,35% na oferta de assentos por quilômetro das companhias aéreas.

Mais de 4,5 milhões de passageiros foram transportados em voos internacionais pelas companhias aéreas brasileiras.

Na participação de mercado podemos ver a GOL em terceiro lugar, quando a companhia ainda tinha mais voos internacionais e, portanto, conseguiu manter com o volume a terceira posição, mesmo que tenha perdido a segunda para a Azul nesses últimos seis meses.

Participação do mercado internacional no acumulado de 2018:

LATAM – 68,64%

Azul– 15,20%

GOL – 9,91%

Avianca – 6,25%

 

Carga

Tais empresas transportaram 34,4mil toneladas de carga no mercado doméstico em junho (alta de 21,26% em relação ao mesmo mês do ano anterior) e 21,8 mil toneladas no mercado internacional (alta de 16,61%).

No acumulado do primeiro semestre são 184,7 mil toneladas de carga transportadas em rotas domésticas (crescimento de 15,18% ante igual período de 2017) e 139,3mil toneladas transportadas nas rotas internacionais (crescimento de 37,01%).

As estatísticas de carga incluem as operações das associadas Avianca, Azul, GOL, LATAM e LATAM CARGO.

 

Postagem escrita com base nos dados divulgados pela ABEAR, Associação Brasileira das Empresas Aéreas, e considera mais de 99% do movimento aéreo do país, que está nas mãos da Avianca, Azul, GOL e LATAM.