Já nos preparativos para receber os primeiros Boeing 737 MAX 8 no próximo ano, a GOL quer alterar boa parte da sua frota para a aeronave de nova geração até 2020. De acordo com Paulo Kakinoff, presidente da GOL, o planejamento é receber 25 aviões da linha 737 MAX até o final de 2020, a encomenda original da GOL é para 120 aviões.

As outras aeronaves serão entregues entre 2020 e 2028, elas serão para expansão da frota e substituição da atual frota de jatos da linha 737 NG. Para Kakinoff essas aeronaves representam vantagem, elas podem levar até 186 passageiros sem comprometer o espaço atual, são 3 fileiras a mais em comparação com a geração NG. Outras alterações também permitem um custo até 20% menor por passageiro.

 

Voos internacionais 

Com um tanque de combustível similar ao do 737 NG e maior economia, o novo 737 MAX tem cerca de 1000 km a mais de autonomia, permitindo voos de até 6500 km sem contar as reservas. Com isso a GOL espera lançar novas rotas internacionais que até então eram impossíveis de serem realizadas com o 737-800 NG.

E no evento Paulo Kakinoff afirmou que a GOL expandirá bastante as rotas internacionais da empresa em 2018, com a chegada de novos aviões da linha 737 MAX, isso levou até mesmo a uma revisão do planejamento estratégico da companhia aérea.

A GOL poderá voar sem escalas para cidades da América Central, além de inaugurar novas rotas para a Colômbia, Equador e Bolívia. O destaque fica para a Flórida, onde a GOL poderá voar a partir de Brasília e de cidades do Norte e Nordeste, até então a GOL realizava voos para a Flórida com uma escala no Caribe, mas com o 737 MAX 8 isso não será preciso.

A vantagem da GOL nessas rotas será operacional, nenhuma companhia brasileira opera com o 737 MAX 8, que se destaca por ter 500 km a mais de autonomia em comparação com o Airbus A320neo, em dados padronizados. Atualmente a Azul, Avianca e LATAM realizam voos para a Flórida, mas com aeronaves de grande porte, os narrowbody permitem um menor custo por assento, e consequentemente bilhetes mais baratos.

 

Essa informações foram obtidas durante uma fala do presidente da GOL, Paulo Kakinoff,  no Segundo Fórum Brasileiro de Fidelização, realizado pela Associação Brasileira de Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf).

 

Via – Panrotas