A GOL Linhas Aéreas anunciou nesta semana os números prévios de tráfego do mês de Junho de 2018. As comparações referem-se ao mesmo período de 2017.

A demanda doméstica (RPK) da GOL cresceu 6,7% e a taxa de ocupação doméstica da GOL foi 0,6 p.p. superior a Junho de 2017, atingindo 79,6%.

No mesmo período de Junho a oferta doméstica (ASK) da GOL aumentou em 5,9%, conforme o volume de decolagens e o total de assentos aumentaram 0,9% e 4,5%, respectivamente, em relação a Junho de 2017.

Em Junho de 2018, a demanda (RPK) e oferta (ASK) no mercado internacional reduziram 16,6% e 5,8%, respectivamente, diminuindo a taxa de ocupação em 8,0 p.p. em relação a Junho de 2017.

A demanda geral (RPK) aumentou em 4,6% em relação a Junho de 2017 e a taxa de ocupação consolidada atingiu 78,0%. A oferta total (ASK) aumentou em 4,7% devido ao aumento da etapa média e do aumento de 3,5% no total de assentos. O volume total de decolagens manteve-se no mesmo nível em relação a Junho de 2017.

O volume de carga transportada da GOL aumentou em 20,4% durante o mês para 9,5 toneladas.

As ações da companhia na Bovespa (GOLL4) chegaram a subir 6,25%, indo de R$ 10,56 no final da tarde desta quinta-feira para 11,22 na manhã de hoje (06/07).

A animação dos investidores refletiu os dados de crescimento e oferta acima do esperado, de acordo com os analistas, incluindo o impacto da greve dos caminhoneiros, na faixa de R$ 8 milhões no segundo trimestre de 2018.

 

Primeiro semestre de 2018

No acumulado do ano a companhia já acumula uma alta geral na demanda na faixa de 3,6%, enquanto no primeiro semestre de 2018 a oferta cresceu 2,7% (ASK). 

O número de passageiros transportados aumentou em 2%, enquanto a taxa de ocupação saltou de 78,8% no 1S17 para 79,4% no 1S18, um incremento de 0,6 p.p.

No mercado de cargas a empresa teve crescimento de 10,7% no 1S18.

Os valores dos dois parágrafos acima são referentes aos dois mercados da empresa, nacional e internacional.

 

O Boeing 737 MAX 8

A GOL recebeu nos últimos dias do Primeiro Semestre de 2018 o primeiro Boeing 737 MAX 8 da sua frota, uma aeronave que nos próximos anos representará um menor gasto da empresa com combustível, e menor custo por passageiro transportado.

Além de gastar menos combustível as aeronaves 737 MAX 8 vão contar com uma maior autonomia de voo, de até 6500 km (em comparação aos 5500 km atuais) e um MTOW de até 82 toneladas.

Desta forma, a GOL poderá oferecer voos sem escalas para os mercados de Miami, Ft. Lauderdale e Orlando, destinos de alta demanda procurados pelos brasileiros. O 737 MAX também é mais silencioso, com ruído 40% menor quando comparado ao atual 737 NG.

A GOL também já anunciou voos com o 737 MAX 8 para Quito, no Equador, a partir de dezembro deste ano.

O cockpit foi atualizado para ficar mais parecido com o Boeing 787, agora são quatro telas grandes, em uma configuração quase Glass Cockpit, de acordo com pilotos que treinaram para a nova aeronave, alguns sistemas foram automatizados em relação ao 737 NG, economizando tempo e atenção do piloto.

A expectativa é, também, gastar até 8% menos de combustível por assento em relação ao modelo A320neo, utilizado pelas concorrentes.