Governo francês vai ajudar a Air France, se for “ambientalmente amigável”

A Air France deve reduzir os voos domésticos e concordar em trabalhar para se tornar a companhia aérea “mais ambientalmente amigável” do mundo, a fim de satisfazer as condições de seu resgate pelo governo.

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, detalhou as condições para um comitê parlamentar de economia em 29 de abril e publicou um vídeo no Twitter no qual resume as expectativas do governo em relação à companhia aérea.

O governo francês quer que a Air France reduza pela metade suas emissões globais de dióxido de carbono por passageiro-quilômetro até 2030, em comparação com os níveis de 2005. Isso está de acordo com os planos já estabelecidos pela companhia aérea. 

A meta de redução de CO2 para voos domésticos, no entanto, é ainda mais rigorosa: o ministro das Finanças pede uma redução de 50% até o final de 2024.

“Assim que houver uma alternativa ferroviária para voos domésticos com duração inferior a 2,5 h, esses voos domésticos deverão ser drasticamente reduzidos e limitados às transferências de hub”, diz Le Maire.

O governo francês também está pedindo à Air France que renove sua frota com aeronaves mais eficientes e se comprometa a suprir 2% de seu uso de combustível a partir de fontes sustentáveis, pelo menos ​​até 2025.

A companhia aérea anunciou em dezembro que assinou um memorando de entendimento com a World Energy e Shell começarão a usar uma mistura de combustível de aviação convencional e sustentável em voos saindo de San Francisco a partir de 1º de junho.


O governo da França disse no início deste mês que forneceria um empréstimo garantido pelo Estado de € 4 bilhões (US$ 4,4 bilhões) à holding Air France-KLM e companhia aérea Air France, além de um empréstimo direto de acionistas de € 3 bilhões ao grupo de companhias aéreas franco-holandesas.

A KLM também está na fila para receber de 2 a 4 bilhões de euros em apoio financeiro do governo holandês, mas o Ministério das Finanças do país disse que a companhia aérea deve contribuir ambientalmente, reduzindo o número de voos noturnos, como parte do acordo.

Os ativistas climáticos pedem que os pacotes de apoio estatal relacionados ao coronavírus venham com cordões verdes anexados, e as condições estabelecidas pelos governos francês e holandês sinalizam um movimento nessa direção por certos países.

No entanto, essas medidas não vão longe o suficiente para alguns grupos ambientais, que argumentam que as condições estabelecidas até o momento não são vinculativas.

“Os pedidos ecológicos da França são os primeiros, mas tínhamos compromissos não vinculativos há anos e a poluição das companhias aéreas aumentou”, diz Andrew Murphy, gerente de aviação do grupo de lobby Transport & Environment, com sede em Bruxelas.

Ele acrescenta: “Aviões marginalmente mais eficientes não afetarão as emissões se as companhias aéreas ainda queimarem combustíveis fósseis comprados sem impostos. Os governos devem exigir que a indústria adote combustíveis mais ecológicos e pague impostos como o resto de nós.”

 

DEIXE UMA RESPOSTA