HAECO lança novo conceito de transporte de cargas nos assentos dos passageiros

A unidade de soluções de cabine da HAECO lançou um novo conceito de transporte, que permitirá às companhias aéreas combinar passageiros e carga na cabine principal. 

O conceito surge em meio ao tráfego retraído de passageiros, o que levou a um número crescente de companhias aéreas que usam aeronaves de passageiros para transportar apenas carga, mesmo acima dos assentos.

Ao todo, a HAECO oferece quatro soluções diferentes, cada uma com limites máximos de carga variados, de 454 kg a 108 kg por conjunto de três assentos. Eles variam de uma variante paletizada a uma versão de armazenamento “assento e piso” – que permite às companhias aéreas colocar caixas nos assentos da aeronave ou no espaço à sua frente. 

Imagem: HAECO

“Essas opções fornecem às companhias aéreas autorizações de carga específicas e a capacidade de transportar itens maiores na cabine que, de outra forma, seriam armazenados na barriga da aeronave, exceto para materiais perigosos”, afirma a empresa. 

Também “permite que as companhias aéreas transportem carga e passageiros ao mesmo tempo, otimizando o rendimento de passageiros e cargas, usando pacotes para distanciar passageiros e mantendo os requisitos adequados de peso e equilíbrio”, acrescenta a HAECO. 

Imagem: HAECO

As soluções serão certificadas por meio de um certificado de tipo suplementar em menos de um mês e podem ser entregues em quatro a seis semanas, diz a empresa. 

Eles podem ser instalados em aeronaves de corpo estreito (narrowbody) e de corpo largo (widebody), com o processo de instalação seguindo as técnicas usadas para instalar assentos econômicos. 


A HAECO acrescenta que viu o interesse das companhias aéreas pelo conceito, mas não especificou quais empresas demonstraram interesse por adquirir o sistema.

Companhias aéreas como a Finnair e a Air Canada transformaram suas cabine de passageiros nos últimos dias para poder transportar somente carga, sem os assentos no interior da aeronave, em meio à crescente demanda por cargas e suprimentos médicos. 

 

DEIXE UMA RESPOSTA