Mil Mi-8 Rússia Estônia
Mil Mi-8 da Guarda de Fronteira Russa invadiu o espaço aéreo estoniano por dois minutos.

Em meio às crescentes tensões na Europa, a Rússia parece querer provocar ainda mais a OTAN com certas ações no leste do continente. A Estônia, nação-membro da Aliança militar liderada pelos EUA, relatou que um helicóptero Mil Mi-8 russo violou seu espaço aéreo. 

O Ministério de Relações Exteriores (MRE) da Estônia diz que o evento ocorreu na noite do último sábado (18). A aeronave da Guarda de Fronteira Russa invadiu o espaço aéreo do país por dois minutos. Os tripulantes também não haviam apresentado qualquer plano de voo e desligaram o transponder do helicóptero. 

Mil Mi-8 Rússia
Mi-8AMTSh. Foto: MD Rússia

A violação do espaço aéreo fez com que o embaixador russo Vladimir Lipaev fosse convocado pelo MRE. A ocorrência também se deu menos de uma semana antes de uma reunião da OTAN em Madri, onde 30 chefes de estado vão discutir a invasão da Rússia na Ucrânia e a segurança na Europa. 

“Esse é o retrato da ameaça russa. Nunca foi tão sério como agora”, disse Kusti Salm, secretário do Ministério da Defesa. Salm também disse que a Rússia tem treinado o lançamento de mísseis contra a Estônia durante exercícios militares. 

“Durante os exercícios em andamento, a Rússia está simulando ataques de mísseis contra a Estônia. Isso é algo que se tornou cotidiano.”

Segundo o ERR, esta é a segunda vez que uma aeronave russa viola o espaço aéreo estoniano. No ano passado, foram cinco incidentes desse tipo. Salm disse a jornalistas que a Rússia está “tentando criar algum tipo de contexto antes da cúpula” da OTAN na Espanha.

“A Estônia considera este um incidente extremamente grave e lamentável que, sem dúvida, causa tensões adicionais e é completamente inaceitável”, disse o MRE em comunicado divulgado na terça-feira (21).

Não está claro se os aviões de caça da OTAN foram despachados para interceptar o helicóptero russo na Estônia. Um destacamento de quatro caças Mirage 2000 franceses está desdobrado na base estoniana de Ämari desde março, onde cumprem sua rotação da Missão de Policiamento Aéreo do Báltico. 

Mirage 2000 OTAN Estônia
O Mirage 2000 francês operando a partir da Base Aérea de Amari, na Estônia, decola em resposta a aeronaves russas perto do espaço aéreo aliado. Foto: Força Aérea Francesa/OTAN.

A presença russa também tem afetado a Lituânia, outro membro da OTAN na Região do Báltico. Conforme observa o ERR, o Ministério da Defesa do país relata que aviões da Rússia voam por seu espaço aéreo toda semana. Na última semana foram registradas oito violações e 13 no período anterior. 

As incursões ocorrem ao mesmo tempo em que a Rússia ameaçou a Lituânia com a proibição de embarques ferroviários de mercadorias para o território russo de Kaliningrado, um exclave situado entre o sudoeste da Lituânia e o nordeste da Polônia, onde a frota russa do Báltico está sediada.