Humanos entram na produção do Boeing 777 após problemas com robôs

Foto - Boeing

Após quatro anos de tentativas e erros, a Boeing está retirando os robôs que constroem duas seções principais da fuselagem para seus aviões 777, e o modelo atualizado conhecido como 777X.

Em vez disso, a fabricante de aviões baseada em Chicago confiará em mecânicos qualificados para inserir manualmente os rebites feitos ao longo da circunferência do avião por um sistema automatizado conhecido como “trilhos flexíveis”, desenvolvido e aperfeiçoado no 787 Dreamliner.

A mudança para o novo sistema humano-máquina começou durante o segundo trimestre e deve estar concluída até o final do ano, disse o porta-voz da Boeing, Paul Bergman, em comunicado. A Boeing não planeja nenhuma mudança na sua força de trabalho para a produção de aviões 777.

“A solução se mostrou mais confiável, exigindo menos trabalho manual e menos retrabalho do que a capacidade dos robôs”, disse ele.

Por mais tentadora que seja a automação, com a promessa de uma força de trabalho mecanizada que nunca fica doente, cansada ou com fome, os fabricantes estão encontrando muitos casos em que a tecnologia ainda não alcançou a destreza e a precisão das mãos e dos olhos humanos.

A Tesla Inc. tentou famosa construir uma fábrica de automóveis totalmente automatizada em Fremont, Califórnia, antes de adicionar algumas alterações para permitir que parte da produção tivesse a presença de humanos, para o controle de qualidade.

A iniciativa totalmente automatizada da Boeing – conhecida como FAUB, para construção automatizada da fuselagem – contou com robôs trabalhando em conjunto para fazer furos com precisão e prender painéis de metal mantidos na posição vertical para criar a estrutura externa dos aviões de dois motores. Essa tecnologia foi apresentada como parte da fabricação avançada, pioneira na Boeing para o 777X.


A Boeing, no entanto, lutou para manter os robôs em sincronia na parte externa e interna dos painéis da fuselagem, criando problemas de produção quando introduziu a tecnologia FAUB na linha 777. Um relatório do Seattle Times de 2016 descreveu um aumento de horas extras de trabalhadores e trabalhos incompletos que foram concluídos após a saída dos jatos da fábrica.

“Foi difícil. Levou anos da minha vida”, disse Jason Clark, vice-presidente da Boeing que supervisionava a produção do 777X, durante uma entrevista no início deste ano.

O novo método de pista flexível cria menos desgaste para os trabalhadores, uma vez que as máquinas realizam uma das tarefas mais exigentes fisicamente da montagem da fuselagem: fazer furos no metal.

“Redesenhamos partes da construção para substituir os rebites por formas de fixação menos difíceis, melhorando ainda mais a ergonomia”, disse Bergman. A combinação deve trazer melhorias na segurança, qualidade e fluxo da fábrica, disse ele.

 

Via – Bloomberg

DEIXE UMA RESPOSTA