IAOp conclui Avaliação Operacional do Envelope Infravermelho do A-29

O Instituto de Aplicações Operacionais (IAOp), localizado no campus do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos (SP), realizou, no período de 14 de setembro a 2 de outubro de 2020, a Avaliação Operacional (AVAOP) do envelope infravermelho da aeronave A-29 Super Tucano. Esta é a segunda AVAOP conduzida pelo Instituto este ano.

O objetivo desta Avaliação Operacional, processo pelo qual se avalia a Eficiência e a Adequabilidade Operacional de um sistema, foi mensurar as emissões de calor em todos os ângulos da aeronave A-29, a fim de determinar o seu respectivo Envelope Infravermelho.

Com os dados coletados, será possível desenvolver táticas de navegação que aumentem a probabilidade de sobrevivência das equipagens em cenários em que haja a presença de armamentos guiados por radiação infravermelha.

Este cálculo é realizado pelo MAISA (Módulo de Ameaça Infravermelha Superfície-Ar), algoritmo desenvolvido pelo Instituto em maio deste ano.

A medição das emissões de calor da aeronave A-29 foi realizada por meio de uma câmera termal FLIR (Forward Looking Infra-Red), durante voos diurnos e noturnos, realizados em diversos tipos de perfis sobre o aeródromo militar de São José dos Campos (SBSJ).

A AVAOP contou com a participação de militares do Terceiro Esquadrão do Terceiro Grupo de Aviação (3°/3° GAV) – Esquadrão Flecha, e com o apoio do Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de São José dos Campos (DTCEA-SJ), sob supervisão do Comando de Preparo (COMPREP) e da ALA 5.

O A-29 Super Tucano é a quarta aeronave a ter seu Envelope Infravermelho mensurado pela FAB. As aeronaves H-36 Caracal e AH-2 Sabre foram analisadas pelo IAOp durante AVAOP realizadas em 2017 e 2018, respectivamente.


Já a medição da emissão infravermelho da aeronave H-60 Black Hawk foi realizada em 2019, como parte de um Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Análise do Ambiente Eletromagnético (CEAAE), sob coordenação do IAOp.

O Diretor do Instituto de Aplicações Operacionais, Coronel Aviador Alessandro Sorgini D’Amato, ressaltou que os dados coletados durante esta AVAOP alimentarão o algoritmo MAISA, de forma a contribuir para os planejamentos de missões em ambiente hostil.

“O MAISA é um algoritmo desenvolvido pelo IAOp, o qual permite aperfeiçoamentos à medida em que novas informações forem sendo coletadas, a exemplo do que acontecerá após a análise dos dados resultantes desta AVAOP. Em seguida, espera-se que tal solução possa ser implementada por meio da ferramenta PMA II, software de planejamento de missões aéreas, de forma a potencializar seus benefícios aos operadores, em prol do preparo e emprego da FAB”, explicou.

A próxima AVAOP a ser conduzida pelo Instituto tem previsão de iniciar-se na segunda quinzena de novembro deste ano.

O objetivo será avaliar a capacidade do IGLA-S, sistema portátil de lançamento de mísseis terra-ar guiados por infravermelho, de detectar e engajar alvos aéreos, bem como identificar seu comportamento diante de flares, dispositivos pirotécnicos ejetados de uma aeronave para confundir o sensor de guiamento do míssil.

Os testes serão realizados no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno – CLBI, em Parnamirim (RN).

 

Via – FAB

DEIXE UMA RESPOSTA