Os chefes de carga aérea que tentam aumentar sua lucratividade em meio a uma economia global imprevisível e inquietação política, como os protestos de Hong Kong e o Brexit – nos principais mercados de carga, não serão surpreendidos pelos dados deprimentes da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

A demanda, medida em quilômetros por tonelada de frete (FTKs), diminuiu 4,5% em setembro de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018 – marcando o décimo primeiro mês consecutivo de queda ano a ano em volumes de frete, a maior desaceleração desde a crise financeira global em 2008, revela a IATA.

A capacidade de carga, medida em toneladas de frete disponíveis (AFTKs), aumentou 2,1% em relação ao ano anterior. O crescimento da capacidade agora superou o crescimento da demanda pelo 17º mês consecutivo, diz a associação.

Alexandre de Juniac, diretor geral e executivo-chefe da Associação Internacional de Transporte Aéreo, espera que o “ambiente de negócios difícil para carga aérea” continue.

As companhias aéreas da Ásia-Pacífico, Europa, América do Norte e Oriente Médio sofreram quedas acentuadas no crescimento ano a ano no volume total de frete aéreo

“A guerra comercial EUA-China continua afetando o setor de carga aérea. A pausa de outubro nos aumentos de tarifas entre Washington e Pequim é uma boa notícia. Mas trilhões de dólares em comércio já foram afetados, o que ajudou a alimentar a queda de 4,5% em setembro na demanda anual”.

Uma repartição regional mostra que as companhias aéreas da Ásia-Pacífico, Europa, América do Norte e Oriente Médio sofreram quedas acentuadas no crescimento ano a ano no volume total de frete aéreo em setembro de 2019, enquanto as operadoras latino-americanas sofreram um declínio mais moderado. A África foi a única região a registrar crescimento na demanda de frete aéreo em comparação com setembro do ano passado.


As companhias aéreas da Ásia-Pacífico viram a demanda por contrato de carga aérea em 4,9% em setembro de 2019. As guerras comerciais EUA-China e Coréia do Sul-Japão, juntamente com a desaceleração da economia chinesa, impactaram significativamente essa região. Mais recentemente, a interrupção das operações no Aeroporto Internacional de Hong Kong – o maior centro de carga aérea do mundo – trouxe pressão adicional. Com a região respondendo por mais de 35% do total de FTKs globais, esse desempenho é o principal contribuinte para os fracos resultados em todo o setor. A capacidade de frete aéreo aumentou 2,7% em relação ao ano passado, explica a IATA .

As companhias aéreas norte-americanas viram a demanda diminuir em 4,2% em setembro. A capacidade aumentou 1,9%. A disputa comercial EUA-China e a queda da confiança nos negócios continuam pesando nas transportadoras da região. A demanda por frete foi contratada entre a América do Norte e a Europa e entre a Ásia e a América do Norte.

As companhias aéreas européias registraram uma queda de 3,3% na demanda de frete no mês. Condições de fabricação mais fracas para exportadores na Alemanha, economias regionais mais fracas e incerteza contínua sobre o Brexit afetaram o desempenho recente, observa a IATA. A capacidade aumentou 3,3% em relação ao ano anterior.

Os  volumes de frete das companhias aéreas do Oriente Médio diminuíram substancialmente em 8% – a queda mais acentuada na demanda de frete de qualquer região. A capacidade diminuiu 0,4%. A escalada das tensões comerciais e a desaceleração do comércio global afetaram o desempenho da região devido à sua posição estratégica como elo da cadeia de suprimentos global, afirma a IATA. A maioria das principais rotas de e para a região registrou uma demanda fraca nos últimos meses. As grandes rotas da Europa para o Oriente Médio e Ásia para o Oriente Médio caíram oito e cinco por cento, respectivamente, em agosto (os últimos dados disponíveis) em comparação com um ano atrás.

As companhias aéreas latino-americanas sofreram uma queda na demanda de frete de 0,2% e uma redução de capacidade de 2,9%. Apesar das indicações de recuperação da economia brasileira, a deterioração das condições em outros locais da região e a desaceleração do comércio global afetaram o desempenho da região.

As transportadoras africanas registraram o melhor crescimento de qualquer região em setembro de 2019, com um aumento na demanda de 2,2% em comparação com o mesmo período do ano anterior, embora tenha sido uma desaceleração significativa do crescimento em relação aos oito% registrados em agosto. Fortes vínculos comerciais e de investimento com a Ásia e desempenho econômico robusto em algumas economias regionais importantes contribuíram para o desempenho positivo da África. A capacidade cresceu 9,4% ano a ano, acrescenta a associação.

Fonte – Air Cargo Way e IATA