Iberia Airbus A300
Foto: Iberia

Em 18 de março de 1981, o primeiro Airbus A300 da Iberia, pilotado pelo Comandante Joaquín Reixa, pousou em Madrid. Esta aeronave, batizada com o nome de “Doñana”, foi a primeira aeronave da fabricante europeia que a Iberia recebeu na sua frota e com o novo avião iniciou uma história que já faz 40 anos.

Os Airbus A300s operaram principalmente as rotas com as Ilhas Canárias devido à sua grande capacidade de passageiros e carga.

Em seguida as entregas foram feitas com as aeronaves da família Airbus A320 para voos de curto e médio curso na década de 1990 e, na mesma década, os Airbus A340 para os modelos  -300 e -600 que começaram a ser incorporados. 

A chegada dos Airbus A330 em 2013 coincidiu com a grande transformação da Iberia com novas cabines Business e Economy e uma nova forma de operar as rotas de longo curso com aviões bimotores que representaram um grande salto de eficiência.

Com os Airbus A350 e A320neo, a Iberia dá mais um salto tecnológico com aeronaves de última geração, aviões mais silenciosos e ecológicos, que também oferecem maior conforto aos clientes.

Maior eficiência

Desde 2009, toda a frota da Iberia é composta por aeronaves Airbus, o que tem proporcionado à empresa grande agilidade na programação dos voos e tripulações, maior eficiência ao nível da formação e alojamento destas tripulações, bem como redução dos seus custos de transporte, manutenção, entre outros.   

 Voos mais sustentáveis

A Iberia comprometeu-se a atingir zero emissões em 2050 e, hoje, o sua maior contribuição para este objetivo é a operação com aeronaves mais eficientes, como os Airbus A320neo e A350; Com essas aeronaves opera voos de curto, médio e longo curso e que eles são entre 15% e 25% mais eficientes do que outros modelos de capacidade semelhante.

A incorporação de aeronaves mais eficientes, a par de outras medidas de redução do consumo de combustível e proteção do ambiente, permitiram à Península Ibérica reduzir as emissões por passageiro em 15% entre 2010 e 2019. A meta da empresa é atingir uma redução de outros 5% até 2025.

A pandemia acelerou a retirada do Airbus A340 da empresa que deixou a frota em agosto de 2020. Atualmente, cerca de 50% dos voos da companhia aérea espanhola são operados pelos modelos mais eficientes.

Impulsionando o setor aeronáutico

Estes 40 anos de história entre Iberia e Airbus, também têm contribuído para o desenvolvimento do setor aeronáutico na Espanha, como ambas as empresas também têm colaborado com manutenção de aeronaves e, mais recentemente, juntaram-se em um projeto com a ajuda de fundos europeus para a recuperação e para impulsionar o setor aeronáutico em Espanha.

De acordo com a TEDAE – Associação Espanhola de Defesa, Segurança, Aeronáutica e Tecnologias Espaciais, em 2019 o setor aeronáutico representou 45.000 empregos qualificados e teve uma faturação de 10.523 milhões de euros com 6% do PIB industrial.

Destes € 10,5 milhões de euros, cerca de 46% corresponderam à aeronáutica militar e 54% à civil, sendo que mais de 76% do volume de negócios foram em exportações, o que demonstra o elevado nível de competitividade do setor aeronáutico na Espanha.

 

Via: Iberia