Icelandair Boeing 767-300
Foto: Divulgação

Como a maioria das companhias aéreas do mundo, a Icelandair foi forçada a estacionar em solo a maioria de suas aeronaves.

O jornal islandês Morgunblaðið relata que, devido à desaceleração da demanda por viagens, a companhia se concentrará em manter operações básicas em todas as áreas para garantir que haja flexibilidade para responder rapidamente quando os mercados reabrirem.

A companhia aérea está renegociando com fornecedores e financiadores, em uma tentativa de ajudar a organizar suas finanças durante o período de crise. No entanto, os custos mais altos da empresa são os salários, portanto os funcionários são contra quando se trata de reorganização.

O CEO da Icelandair, Boga Nils Bogason, não está feliz em fazer esses cortes. No entanto, ele afirma que, embora as decisões sejam dolorosas, infelizmente são necessárias.

Cerca de 2000 pessoas serão demitidas durante os cortes, quase metade do quadro de funcionários da empresa.

“Há uma enorme incerteza pela frente e precisamos nos preparar para atividades limitadas na empresa indefinidamente. Esperamos que as condições no mundo melhorem o mais rápido possível e que possamos oferecer o maior número de funcionários envolvidos no trabalho novamente”, disse Bogason.

“O objetivo dessas medidas também é garantir as operações básicas da empresa e manter a flexibilidade necessária para poder responder rapidamente quando a demanda se recuperar.”

Hoje (29), o primeiro-ministro da Islândia, Katrín Jakobsdóttir, compartilhou que a Icelandair poderá se beneficiar das novas medidas em vigor. As iniciativas incluem uma extensão do esquema de compensação parcial e apoio do tesouro do estado para pagamento de salários.

Além disso, a Icelandair está recebendo até ISK 100 milhões (US$ 710000) para manter alguns voos vitais para destinos nos Estados Unidos e na Europa.

No total, a Icelandair não é a única companhia aérea que teve seus funcionários demitidos no último mês. Várias empresas tiveram que se reorganizar enquanto tentavam lidar com as restrições globais de viagens.

 

DEIXE UMA RESPOSTA