Em 2017 um Boeing 737 da Ryanair sofreu um incidente enquanto decolava de Londres (Stansted), uma roda do trem de pouso dianteiro se soltou enquanto o avião ganhava velocidade na pista.

De acordo com os investigadores do caso, baseados no Reino Unido, uma fadiga do material do eixo da roda causou uma ruptura enquanto o trem de pouso dianteiro passava por um esforço típico da decolagem, com alta velocidade e transferência de carga entre os eixos.

Mas essa falha precoce do material tem uma causa, em 2014 esse mesmo avião teve essa peça instalada, na época com 17000 ciclos, a investigação apontou que um erro na restauração da peça durante essa revisão, e que foi se propagando durante o tempo, devido à mudança nas propriedades do material, causando um comportamento diferente em relação à peça original. 

Durante todo esse período, inspeções visuais não detectaram a presença de qualquer rachadura na superfície do cromo, e não havia necessidade de realizar uma inspeção com corante fluorescente.

“Como não foram detectadas rachaduras, a peça foi colocada novamente em serviço”, disse o inquérito. “Com o tempo, a flexão de eixo durante os pousos e decolagens causou rachaduras por fadiga iniciando a partir do revestimento e se propagar através da parede do eixo.”