A Swiss optou por interromper temporariamente as operações com os seus aviões Airbus A220-300, após vários incidentes envolvendo problemas nos motores.

“A Swiss decidiu realizar uma inspeção nos motores da frota de aviões A220. Por esse motivo, todos os A220s devem passar por uma inspeção abrangente”, disse um porta-voz da Swiss.

A companhia declarou que muitos voos podem ser cancelados, como resultado da falta dessas aeronaves na frota.

O incidente que ocorreu hoje, durante o voo LX359 de Londres para Genebra, é o 3º que ocorreu recentemente envolvendo os motores Pratt & Whitney PW1524G do A220-300.

 

Problemas em motores Pure Power

Recentemente a Pratt & Whitney foi advertida por órgãos de segurança da aviação por problemas nos motores da linha Pure Power.

Uma diretriz aponta o risco de incêndio por vazamento de óleo em motores PW1500G, que equipa a linha A220 da Airbus.


Já outra diretriz solicita a antecipação da inspeção do compressor de alta pressão dos seus motores, de acordo com a fabricante, uma diminuição do limite de durabilidade, calculado por ciclos de uso, foi notada pela empresa.

A grande suspeita é que uma corrosão no compressor de alta pressão, localizado logo antes da câmara de combustão, possa diminuir a durabilidade do motor, como foi descoberto durante uma revisão de rotina.

Em um caso extremo, componentes do compressor de alta pressão podem rachar e causar danos ainda maiores ao motor, com um consequente desligamento do motor durante o voo.

Um A220-300 da Swiss se envolveu em outro incidente recentemente, com o motor falhando e supostamente “expelindo” partes durante o voo do incidente. Investigadores abriram até mesmo um boletim para recuperar as partes expelidas pelo motor, como forma de ajudar a investigação do caso.

No início do ano um A220 da Korean Air também sofreu problemas, com uma falha de motor durante um voo de Busan para Nagoya.

Parte da turbina do motor PW1500G do A220, após uma falha em voo da Korean Air.

A falha foi identificada cerca de 25 minutos após o avião decolar do aeroporto de origem, os pilotos optaram por alterar para Busan, e pousaram de volta no local cerca de 59 minutos após a partida.