Índia Míssil

Na última quinta-feira (09/03) o Paquistão declarou que a Índia disparou um míssil supersônico desarmado em direção ao seu território. A ação aconteceu no dia 09 de março, e de acordo com dados, o míssil decolou de Sirsa e pousou em uma área desabitada perto de Mia Channu (Paquistão) após percorrer 124 km.

O Paquistão acusou a Índia de colocar em risco os voos comerciais que trafegavam entre o espaço aérea indiano e paquistanês no momento, visto que os dados de radares indicavam a presença do míssil a 40000 pés em trajetória parabólica e velocidade supersônica (Mach 3). Além disso, o armamento poderia atingir área com civis.

Todas as informações foram repassadas pelo major-general Babar Iftikhar, diretor-geral de Relações Públicas Inter-Serviços (ISPR) das Forças Armadas do Paquistão.

“O que quer que tenha causado este incidente, cabe aos indianos explicar”, disse Iftikhar na coletiva de imprensa. “Isso, no entanto, mostra seu desrespeito pela segurança da aviação e reflete muito mal em sua proeza tecnológica e eficiência processual”

A Índia confirmou que o míssil era de sua propriedade e disse que um mau funcionamento técnico levou ao disparo acidental do armamento, que estava sem a ogiva no momento.

“Embora o incidente seja profundamente lamentável, também é uma questão de alívio que não tenha havido perda de vidas devido ao acidente”, disse parte de um comunicado das Forças Armadas da Índia.

O incidente acirra ainda mais os conflitos entre os países pela Caxemira, uma região administrada e reivindicada pela Índia e Paquistão atualmente. Alguns ataques entre os países neste local ocorreram em 2019, porém sem progressão do conflito, que foi o primeiro na região desde 1971.