Foto - Aeroporto de Brasília/Inframerica

A Infraero deixará de ter participação nos Aeroportos de Brasília, Confins e Guarulhos até o fim de 2018, vendendo a sua parte desses aeroportos com expectativa de gerar até R$ 5 bilhões ao Governo Federal.

Quem fará essa negociação será o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para isso a Infraero precisará firmar um contrato com a instituição, permitindo o leilão para vender essa participação pelo maior valor possível às outras empresas interessadas.

Logicamente o contrato terá várias restrições, assim como no último leilão de aeroportos do Governo Federal, garantindo assim os investimentos no local ao contrário de um ágio super-estimado.

Terminal 2 do Aeroporto de Guarulhos. Foto – GRUAirport/Juvenal Pereira

As atuais concessionárias desses aeroportos, que detém 51% de todo o negócio, poderão dar lances nos aeroportos que já administram, mas não em outros locais. Logo a Inframerica, que administra o Aeroporto de Brasília, não poderá dar lance no Aeroporto de Guarulhos, administrado pela GRU Airport. Esse tipo de leilão também permite que a concessionária “arrende” 100% do local.

O governo ainda avaliará se vai vender sua participação no Aeroporto do Galeão, mas por enquanto Viracopos está suspenso da lista, até um novo leilão do local ser realizado pelo governo, visto que a concessionária optou por entregar a concessão após registrar extensos prejuízos e não conseguir pagar até a outorga anual de concessão.

Aeroporto de Confins. Foto – BH Airport/Divulgação

O valor arrecadado pelo governo, baixo na avaliação de algumas empresas, será responsável por compor o ‘caixa’ nos próximos anos, diminuindo o deficit financeiro.

 

Via – Estadão