A mais recente inspeção obrigatória para toda a família Boeing 737 NG, envolvendo pequenas fissuras nas asas, está desfalcando temporariamente a frota de aviões da GOL Linhas Aéreas.

Em uma foto enviada na tarde desta quarta-feira (09) para a equipe do Portal Aeroflap, podemos ver diversas aeronaves, além dos 7 aviões 737 MAX, paradas no Hangar de Manutenção da GOL em Confins (MG), aguardando o momento para fazer a inspeção estrutural de um componente responsável pela junção da asa à fuselagem do avião.

A GOL informou que 11 aviões vão passar pela correção obrigatória, algo que deve afetar 3% da oferta de assentos da companhia até dezembro. A GOL tem uma frota de 118 aeronaves 737 NG, compreendendo modelos 737-700 e 737-800.

Essas aeronaves estão sendo inspecionadas com base na recente diretriz da FAA, que solicitou revisão da parte estrutural da asa em aviões com mais de 20000 ciclos de uso, e da família 737 NG, que teve sua asa alterada em comparação com a linha 737 Classic.

O pedido exige que as companhias aéreas, dentro de sete dias a partir de 03 de outubro, inspecionem as aeronaves que acumularam mais de 30.000 ciclos de voo. As aeronaves que registraram entre 22.600 e 29.999 ciclos devem ser inspecionadas dentro de 1.000 ciclos adicionais, diz o pedido.

A pequena fissura a ser analisada está em uma área que realiza a junção da asa com a fuselagem da aeronave. O componente deveria durar 90 mil ciclos, além do limite de uso da aeronave, mas a equipe de manutenção da Boeing detectou problemas estruturais (fissuras) com em aeronaves com aproximadamente 30 mil ciclos.

O reparo desse componente pode durar até dois meses, quando consideramos o tempo para o fornecimento dos componentes.

No geral, cerca de 500 aviões de companhias aéreas de todo o mundo foram inspecionados quanto ao problema.

 

Confira abaixo a nota emitida pela GOL, no final desta tarde:

A GOL informa que concluiu hoje (09/10) a inspeção em sua frota, conforme aplicabilidade definida pela Diretriz de Aeronavegabilidade emitida pela Federal Aviation Administration (FAA), autoridade de aviação americana responsável pela certificação primária das aeronaves modelo Boeing 737 NG, garantindo os mais elevados padrões de Segurança – valor número um da empresa e que direciona absolutamente todas as suas atividades.

Como resultante desse processo, a Companhia retirou de operação as aeronaves nas quais foram encontrados indícios da necessidade de substituição de um componente especifico, cujas características se apresentaram fora dos padrões estabelecidos pelo fabricante, reportando essas ocorrências à FAA e à Boeing, de forma coordenada com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Essas aeronaves permanecerão inoperantes até o cumprimento da manutenção. 

Consequentemente, fez-se necessário um remanejamento de parte de sua malha aérea, afetando aproximadamente 3% do total de clientes a serem transportados de hoje até o próximo dia 15 de dezembro.

A empresa esclarece que os Clientes impactados estão sendo informados previamente por SMS, por e-mail e pelas agências de viagem, e acomodados em outros voos da própria GOL ou das empresas congêneres. 

A GOL lamenta pelos eventuais transtornos causados e reforça que tem trabalhado intensamente para minimizar os potenciais efeitos aos seus Clientes, aos quais desde já agradece pela compreensão.