Nesta segunda-feira (14/01) os investigadores do acidente com o Boeing 737 MAX 8 da Lion Air, que aconteceu no final de outubro de 2018, acharam uma outra caixa-preta da aeronave, que até então estava desaparecida desde o acidente.

Os investigadores acharam a caixa-preta a 38 metros de profundidade, pela colisão da aeronave com o solo, o componente estava enterrado a 8 metros abaixo do solo. A equipe disse que no local há fortes correntes marítimas, além de tubulações de gás e petróleo, o que dificultou as buscas nos últimos meses.

A caixa-preta encontrada é responsável pela gravação de voz do cockpit (CVR), e pode indicar as decisões que os pilotos tomaram nos momentos antes do acidente acontecer. A caixa-preta que armazena dados do avião foi encontrada poucos dias após o acidente, e já está fazendo parte da investigação, que ainda está ocorrendo.

Em meados de dezembro de 2018, a Lion alugou um navio, o MPV Everest, de uma empresa holandesa para auxiliar na busca. Naquela época, também estimou que a busca pelo CVR custaria Rp38 bilhões (US$ 2,62 milhões).

O Everest atuou poucas semanas nas buscas, que após a última semana de dezembro ficou a cargo do governo da Indonésia.

Clique aqui para saber mais sobre o acidente.