A JetBlue divulgou recentemente os seu resultado financeiro no segundo trimestre, reportando um prejuízo operacional de US$ 144 milhões, mesmo com a receita operacional subindo 5%, registrando US$ 1,93 bilhão.

A companhia atribuiu esse prejuízo a uma taxa de depreciação, ou seja, a deterioração de valor dos seus Embraer E190 projetada antecipadamente pela JetBlue.

Se não fosse essa taxa que foi paga pela companhia, a JetBlue teria registrado um lucro ajustado antes dos impostos de US$ 159 milhões. Mesmo assim a companhia não lucraria tanto como no mesmo período de 2017, quando registrou lucro líquido de US$ 207 milhões, ante US$ 120 milhões neste ano.

A maior dificuldade de custos da JetBlue neste segundo trimestre foi devido a um aumento das despesas operacionais em 39%, para US$ 2,07 bilhões, boa parte por causa do maior preço pago pelo litro de querosene, na ordem de 51% comparando com o mesmo período do ano anterior.

A JetBlue ainda espera encerrar o ano com um crescimento de 7,5% na oferta em comparação com 2017, e uma receita por passageiro 3% maior.

 

Os Airbus A220-300

Recentemente a JetBlue declarou que vai substituir a partir de 2020 o E190 pelo novo A220-300, aumentando a oferta de assentos e diminuindo bastante o custo por passageiro transportado.

No total a companhia encomendou 60 aviões do modelo A220-300.

 

Via – FlightGlobal