Azul Novas Rotas

O Wall Street Journal fez o mercado de aviação começar em alta nesta terça-feira (24), noticiando que a Azul está conversando com credores do Grupo LATAM sobre a possível compra da parte das operações no Brasil.

O jornal americano informou que fontes disseram que as conversas entre a Azul e os credores do Grupo LATAM estão ocorrendo, além disso a companhia aérea com sede em Campinas estaria disposta a comprar toda a operação do grupo e depois vende-las em outros países.

Além da compra, o Wall Street Journal cita também que a Azul também poderia fazer uma joint-venture com a LATAM, como forma de complementar suas operações no Brasil. Na última semana, o CEO da Azul, John Rodgerson afirmou em entrevista que sua empresa tem interesse concreto nas operações da rival no país.

As ações da Azul tiveram alta de 2,41% a R$ 37, as ações da LATAM nos EUA também tiveram alta de 5,96% a US$ 2,31. Com o mercado aquecido, até mesmo a GOL, concorrente das duas empresas obteve ganhos na bolsa de 1,70% a R$ 18,51.

O que diz a LATAM?

LATAM Airlines Airbus A321

Por outro lado, a LATAM disse que não pretende vender a parte de suas operações no Brasil e que a empresa se prepara para apresentar o seu plano de reestruturação para deixar o processo de recuperação judicial com base no Capitulo 11 dos EUA. 

A parte da empresa no Brasil tem retomado rotas, aeronaves e acrescentado novas rotas como parte da retomada do setor no país. Recentemente a LATAM abriu vagas de trabalho em algumas de suas bases principais como o Aeroporto de Brasília, hub que conecta voos de todas as partes do país.

A oferta da empresa no país em agosto de 2021 será quase três vezes maior (277%) do que em agosto de 2020. As regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste impulsionam a retomada com aumento de voos; no Nordeste, haverá crescimento no Ceará, Maranhão e Bahia. Isso representa uma retomada de 77% de sua malha aérea de antes da pandemia.

Na frota, a empresa retirou definitivamente todos os seus Airbus A350 que estão sendo devolvidos gradativamente. Para suprir a ausência da aeronave em voos longos e consequentemente reduzir seus custos operacionais, a LATAM estará recebendo em breve aeronaves Boeing 787, outra ‘mudança’ na frota foi a retomada das operações com o Airbus A320neo.

Debate sobre a compra das empresas e o futuro do mercado

Na última sexta-feira (20), A Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados realizou um debate sobre a compra da LATAM pela Azul, e quais seriam os prós e contras desse possível negócio. 

“Muito provavelmente os preços dos voos aumentarão por causa da falta de competição. Devemos lembrar que atualmente os preços dos bilhetes estão abaixo dos anos anteriores e isso se deve à situação atual do setor em função da pandemia.” Disse Eduardo Bismarck.

“Não temos medo em caso de um processo de aquisição naquele mercado, é claramente contra a nossa agenda concorrencial, mas também entendemos que é uma solução que surgiu no mercado”. Disse Ronei Glazmann, Secretário de Aviação Civil.

“Estamos monitorando esse processo, mas é eminentemente privado, uma negociação privada e o governo não deve interferir, não deve interferir porque a liberdade de atividade econômica está consagrada na Constituição Brasileira”. Concluiu. 

 

 

Fontes: InfoMoney Merco Press

DEIXE UMA RESPOSTA