Foto - Band/Reprodução

A queda de um helicóptero do modelo Bell 206B na manhã desta segunda-feira (11/02), na Rodovia Anhanguera, perto do Rodoanel de São Paulo (KM 7, sentido Castelo Branco), resultou na morte de duas pessoas, incluindo o jornalista Ricardo Boechat.

A informação foi confirmada pela Revista Veja e o Governo do Estado de São Paulo. Uma chamada de socorro foi realizada às 12h14 para o Corpo de Bombeiros.

Testemunhas disseram que a parte dianteira do helicóptero bateu em um caminhão que transitava pela via, o motorista foi conduzido ao hospital para atendimento médico.

O helicóptero estava indo de Campinas para São Paulo, e pousaria na TV Bandeirantes, no Morumbi, Zona Sul de São Paulo.

Foto – TV Globo/Reprodução

Dois corpos que estavam no helicóptero foram achados carbonizados, incluindo o de Boechat, resultado da combustão gerada pelo impacto do helicóptero com o veículo e o solo.

O piloto era Ronaldo Quattrucci, que tinha uma ampla experiência no ramo de aviação.

A aeronave ainda bateu na parte dianteira de um caminhão que transitava pela via.

O helicóptero envolvido foi fabricado em 1975, e tinha capacidade para quatro passageiros e um piloto.

 

Em nota a FAB/CENIPA disse:

“Investigadores do Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), realizam a Ação Inicial da ocorrência envolvendo a aeronave de matrícula PT-HPG, que aconteceu nesta segunda-feira (11/02), em São Paulo (SP).

A Ação Inicial é o começo do processo de investigação e possui o objetivo de coletar dados: fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de pessoas que possam ter observado a sequência de eventos.

A investigação realizada pelo CENIPA tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram.”

 

Em nota a ANAC disse: 

“A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informa que, segundo dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o helicóptero acidentado no final da manhã desta segunda-feira (11), em São Paulo, estava com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido até maio de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia até maio de 2019, ou seja, a aeronave estava em situação regular.

O helicóptero, de matrícula PT-HPG, da fabricante Bell Helicopter, era de propriedade da RQ Servicos Aereos Especializados LTDA. Esse modelo é um monomotor com capacidade máxima de quatro passageiros mais a tripulação.

A ANAC informa que a aeronave de matrícula PT-HPG e a empresa RQ Serviços Aéreos possuíam autorização para prestar Serviços Aéreos Especializados (SAE), que incluem aerofotografia, aeroreportagem, aerocinematografia, entre outros do mesmo ramo. Qualquer outra atividade remunerada fora das mencionadas não poderia ser prestada. A agência abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente.

De acordo com informações oficias da Aeronáutica, o piloto a bordo da aeronave era Ronaldo Quatrucci. As licenças e habilitações dele de piloto comercial de helicóptero (PCH) estavam válidas. Estava a bordo do helicóptero também o jornalista Ricardo Boechat.

As investigações sobre as causas do acidente estão sendo conduzidas pelo Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica.

A ANAC se solidariza com os familiares das vítimas do acidente e colabora com as investigações que estão em curso.”