Airbus A330 FAB KC-30
Foto: Gisele Orquidea

Na manhã desta terça-feira (26) foi realizada a cerimônia oficial de entrega da aeronave KC-30 para a Força Aérea Brasileira (FAB). Esta será a designação para o Airbus A330 na frota da corporação.

Realizada na Base Aérea do Galeão no Rio de Janeiro, a cerimônia contou com a presença do Comandante da Força Aérea Brasileira, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Almeida Baptista Júnior, além do Comandante da Base Aérea do Galeão, outros militares e autoridades.

Durante a cerimônia o Airbus A330 da FAB passou em sobrevoo pela Base Aérea, junto com outras aeronaves como o KC-390, C-130 Hércules, C-97 Brasília entre outros.

A aeronave recebeu o tradicional batismo com jatos d’água assim que pousou. Logo depois foram saudados e homenageados os militares do 2º Esquadrão do 2º Grupo de Transporte (2º/2º GT), o Esquadrão Corsário que retoma suas operações oficialmente com o KC-30 incorporado.

Após as homenagens e batismo, a aeronave foi aberta ao público presente no evento para visitação e fotos.

Este é o primeiro de dois Airbus A330 adquiridos pela FAB com dinheiro resgatado da Operação Lava Jato. Os dois aviões foram comprados da Azul, sendo este o ex-PR-AIS, atual FAB 2901.

A segunda aeronave, o G-POWX da companhia de leasing Titan Airways, foi adquirida pela Azul no mercado internacional para o cumprimento do contrato, e será o futuro FAB 2902. Ambos são aviões que pertenceram à finada Avianca Brasil: o 2901 foi o PR-OCJ, e o 2902 foi o PR-OCK. 

Na FAB, o A330 já tem nome: KC-30. No entanto, o indicativo K é para aviões de reabastecimento em voo, o que o modelo ainda não é. Futuramente, o 2901 e 2902 serão convertidos em A330 MRTT

A conversão será realizada através de um contrato separado, que está sendo negociado pela FAB com a Airbus. Os trabalhos, que demoram cerca de 18 meses segundo a fabricante, ocorrem nas suas instalações em Getafe, na Espanha. 

Depois de convertidos, os A330 se tornarão aviões de transporte e reabastecimento em voo multimissão, podendo ser usados para abastecer outras aeronaves, transportar cargas, tropas, suprimentos e até mesmo se tornar uma UTI aérea.