LATAM

A LATAM Brasil finalizou todo o processo de terceirização das equipes de solo nos aeroportos em que atua no Brasil. Agora toda a operação de solo está sendo concentrada em empresas que já prestavam esse serviço para a companhia.

Em 2018 a LATAM começou a terceirizar os serviços de solo nos principais aeroportos do país, começando pelo hub da empresa, em Guarulhos. Na época a companhia demitiu 1300 trabalhadores em dois aeroportos de atuação da empresa, Galeão e Guarulhos.

Nesse processo de terceirização a companhia só não prevê ter mão de obra de outras empresas nos Aeroportos de Brasília, Congonhas e Santos Dumont. Nos outros 41 destinos as operações de rampa, limpeza e atendimento aos aviões em solo com equipamentos de Ground Handling, serão realizadas por empresas como a Orbital, Swissport e Dnata.

A nota aos funcionários ainda ressaltou que as demissões serão realizadas, para “adequar a companhias às novas práticas mundiais da aviação”

“Sabemos que essa é uma decisão dura e difícil de ser tomada, porém necessária. Desta forma, reforçamos o nosso respeito a todos os colaboradores impactados e agradecemos imensamente pela dedicação, comprometimento e tempo de serviço em nossa companhia. Em paralelo, continuamos trabalhando fortemente para contribuir com a recolocação profissional dessas pessoas”, disse a LATAM para seus funcionários através de um e-mail lido pela Equipe do Portal AEROFLAP nesta semana.

Os profissionais demitidos não podem ser imediatamente contratados pelas terceirizadas, que normalmente pagam salários menores em comparação com a LATAM pelo mesmo cargo. Isso é causado pela lei trabalhista em vigor, que proíbe a contratação para exercer a mesma função, sem antes passar 18 meses desde a data da demissão.

Apesar disso, no e-mail a LATAM diz que realizará a indicação dos seus funcionários para as novas empresas.

Esse movimento impede que uma empresa substitua sua força de trabalho, de contratação própria, e recontrate esses mesmos funcionários para trabalhar nessa empresa, só que com outro CNPJ e outros salários.

Nos últimos meses citamos até mesmo uma possível movimentação que a LATAM pode fazer para “terceirizar” os seus tripulantes, algo difícil de ser realizado, ou mesmo mover toda a operação para uma outra empresa, com novos contratos de trabalho. Esse procedimento ainda não foi realizado pela LATAM, e não será permitido pelas autoridades do país devido aos atuais requisitos de segurança da aviação.

 

Em nota ao Portal Aeroflap a LATAM Brasil disse:

“Em sinergia com as práticas de mercado nacionais e internacionais, a LATAM Airlines Brasil informa que optou por terceirizar os serviços de Ground Handling de Rampa, Limpeza e GSE (Gestão de Equipamentos de Solo). A partir de 17 de maio de 2021, estes serviços serão realizados por empresas especialistas em todas as bases com operações da LATAM no Brasil, com exceção dos aeroportos de Brasília, Congonhas e Santos Dumont.

Ciente de sua responsabilidade social e econômica, a LATAM já está em contato com os sindicatos representantes da categoria impactada para tratar das condições e viabilizar um pacote adicional de saída, bem como está fazendo todos os esforços para contribuir com a recolocação profissional de todas as pessoas impactadas por esta mudança. A companhia criou um site para cadastro de currículos e vai indicar os profissionais para outras empresas.”