LATAM e GOL indicam que podem demitir funcionários

LATAM
Foto - Airbus/Divulgação

Em um vídeo enviado para os seus funcionários, CEO do Grupo LATAM, Roberto Alvo,  declarou que em breve precisará fazer uma redução no número de trabalhadores.

De acordo com a companhia a situação do mercado de aviação é complicada, atualmente no Brasil a companhia opera somente 38 voos diários, sendo que antes operava 750.

Ao mesmo tempo a LATAM prevê que a demanda terá uma retomada muito lenta e gradual, de 3 a 5 anos, sendo que 50% deve voltar à normalidade até o final deste ano.

No Brasil a companhia também vai continuar com funcionários em LNR (Licença não Remunerada), que devem retomar ao trabalho de acordo com a recuperação da demanda. Não há previsão de demissões na filial brasileira. A LATAM tem cerca de 21000 funcionários somente no Brasil.

O vídeo contextualiza o momento de crise e agradece à equipe que vem trabalhando pela companhia, mesmo diante dessa crise mundial sem precedentes. Confira abaixo:

Em nota ao Portal Aeroflap, a LATAM disse:

“O Grupo LATAM Airlines e suas subsidiárias informam que, como resultado das graves conseqüências da pandemia da Covid-19, teve que desvincular de seu quadro de colaboradores 1400 pessoas pertencentes às subsidiárias no Chile, Colômbia, Equador e Peru.


Apesar de todos os esforços que fizemos para cuidar dos empregos, nos vemos obrigados a tomar essa decisão difícil. Os impactos da Covid-19 são profundos e é inevitável reduzir o tamanho do grupo LATAM, para proteger sua sustentabilidade a médio prazo “, afirmou Roberto Alvo, CEO do Grupo LATAM Airlines.”

Em relação a Latam BR:

BNDES:A LATAM Brasil confirma que está interessada na proposta do BNDES. Porém, segue em negociação para que as soluções respeitem e atendam as características da Cia. 

Empregos: A empresa elaborou um plano para manutenção do negócio com mínimo impacto em pessoas. Nesse sentido, a companhia obteve aprovação sindical para a licença não remunerada dos seus funcionários, assegurando jornada parcial com manutenção dos empregos desde 1º de abril de 2020.  

 

GOL

Enquanto isso, na GOL o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) declarou ontem que a companhia deve demitir de 1000 a 1500 tripulantes, que devem entrar no excedente de funcionários após a diminuição da frota de aeronaves.

A companhia fez acordos com seus funcionários e cerca de 5,4 mil desses entraram em licença não remunerada, mas garantindo toda a assistência necessária a eles como os benefícios de saúde e alimentação. Além disso, a GOL reduziu em 50% o pagamento para todos os seus funcionários.

As duas empresas (GOL e LATAM) planejam utilizar a lista de antiguidade (data de admissão na empresa) para fazer os desligamentos, cortando aqueles com pouco tempo de contrato de trabalho firmado.

 

DEIXE UMA RESPOSTA