LATAM Chile Brasil

Nesta quarta-feira (09) o Grupo LATAM pediu o adiamento da entrega do Plano de Recuperação Judicial em 75 dias (até 15 de setembro). No plano atual a empresa deverá entregar o documento, que prevê como pagará as suas dívidas, até o dia 30 de junho.

No plano de recuperação judicial o Grupo LATAM vai descrever como planeja pagar as suas dívidas, e também como conseguirá pagar as mesmas. O início da execução deste plano é primordial para a companhia cumprir a sua promessa de sair da recuperação judicial ainda em 2021.

Com o atraso, o Grupo LATAM e suas subsidiárias podem levar mais tempo para sair do processo de Recuperação Judicial, que está ativo desde maio de 2020. Fora do plano de recuperação judicial a companhia ganha mais autonomia para alterar a sua frota, seus planos futuro e mais, sem depender de autorização jurídica.

Paralelamente, no entanto, a Latam já iniciou contatos com seus credores mais importantes e vários grupos de investidores potenciais para sondar o conteúdo de sua reorganização futura. Os acionistas da LATAM, como a Qatar, os irmãos Cueto e a Delta, também precisam aprovar totalmente o plano.

“São as primeiras abordagens para um plano de reorganização”, disse uma fonte ao Jornal LaTercera. A companhia está se reunindo nesta semana com credores, para traçar um plano ideal para sair da RJ.

O plano de Recuperação Judicial pode ser executado até abril de 2022, como está no Chapter 11, que determina um padrão para seguir essas condições. No entanto, a empresa pode trilhar um caminho para sair antes da RJ, se desejar.

Atualmente o Grupo LATAM tem uma dívida de US$ 10 bilhões. Este montante pode ser reduzido, dependendo das negociações dentro do Chapter 11.