Aeronave da Avianca em Congonhas. Foto - Pedro Viana/Aeroflap

Enquanto a justiça ainda discute o leilão de ativos da Avianca Brasil, que é basicamente composto pelos slots de operações da empresa em três aeroportos, a ANAC já  já cancelou os slots da Avianca Brasil, por falta de uso.

O juiz Thiago Limongi marcou o leilão da Avianca Brasil para o dia 10 de julho, mas a justiça ainda está discutindo a questão com a diretoria da ANAC, possivelmente o leilão precisará ser cancelado, para atender às normas da ANAC.

Sem o leilão, a agência deverá fazer a redistribuição o mais breve possível, são no total 41 slots da Avianca Brasil no Aeroporto de Congonhas, contra 236 da LATAM e 235 da GOL.

Pelas normas da ANAC, cerca de 50% desses 41 slots serão distribuídos entre as companhias que operam no local, ou seja, a GOL, LATAM e Azul. Os outros 50% serão repassados para novas entrantes, como a Globalia, Passaredo, Twoflex e Sideral.

Essa resolução da ANAC pode resultar em somente 6 a 7 slots adicionais para a Azul, que já tem 26 slots em Congonhas, e cerca de 5 slots para as novas entrantes do mercado.

Ao mesmo tempo, a LATAM e a GOL devem aumentar sua participação para 92% no aeroporto mais disputado do país, e com sérias limitações de capacidade de operação.

A ANAC e a Justiça de São Paulo, que conduz o processo de Recuperação Judicial da Avianca Brasil, ainda não apresentaram um posicionamento sobre esse assunto, e uma resposta deve ser divulgada nos próximos dias.