Lockheed Martin F-35A da USAF

A fabricante Lockheed Martin está de olho na Europa para impulsionar ainda mais as vendas do F-35A no velho continente, com alguns interesses bem evidenciados.

“Com a Finlândia, a Polônia e a Suíça avaliando o avião agora, esse pode ser um número que está se aproximando de 700 aviões no mesmo período”, diz Steve Over, diretor de desenvolvimento de negócios internacionais do F-35. “Estamos em diálogo com quase todos os países livres ao redor do mundo”.

F-35A Lightning II da USAF

O F-35 hoje representa a única aeronave stealth que é aberta a vendas e parcerias, ao contrário do ”irmão mais velho F-22 Raptor” que não é comercializado. Com tudo ele não é o único, o projeto Franco-Alemão FCAS, bem como o britânico Tempest, são novos projetos mas que vão se concretizar só depois de 2030.

“Até agora, nunca perdemos uma competição com o F-35”, diz Over. “Estamos batendo 1.000”.

A Lockheed Martin já estava viando vender o F-35A para cinco novos países, incluindo Romênia, Grécia e Polônia. A Grécia juntamente com a Polônia despertaram mais interesse no caça. Os gregos consideram comprar até 30 caças, já a Polônia solicitou formalmente 32 aeronaves F-35A.

F-35B Marinha Militar Italiana

No cenário fora Europa o Canadá também está interessado na compra do caça, e também a Cingapura no continente asiático.

A Finlândia quer trocar seus 62 F / A-18C / Ds, e abriu uma “competição” para que possa escolher o novo vetor de fesa aérea do país e o F-35 está na jogada juntamente com o francês, Dassault Rafale que depois de anos conseguiu vendas internacionais, Eurofighter o Typhoon, o Saab Gripen e o Super Hornet.

Na Ásia a saída do F-35 está muito bom, o Japão já havia encomendado lotes de F-35 e vai encomendar mais 105 unidades do caça, se torando assim 2º maior nação operadora do caça em todo o mundo.

Fonte de apoio: Flight Global / Edição: Aeroflap