Lockheed Martin projeta menos entregas de F-35 devido ao impacto do coronavírus

F-35 na linha de montagem- Foto: Lockheed Martin

A Lockheed Martin está projetando menos entregas de caças furtivos F-35 Lightning II em 2020, devido aos impactos em sua cadeia de suprimentos global causados ​​por interrupções relacionadas à pandemia de coronavírus.

O fabricante ainda não tem certeza exata do quanto suas entregas diminuirão, mas está avaliando os resultados prováveis, afirmou em uma teleconferência de lucros em 21 de abril.

A empresa entregou fabricar 134 caças F-35 em 2019 e está programada para transferir 141 exemplos este ano. Os resultados do primeiro trimestre mostram que 22 caças foram entregues até 31 de março: uma redução de 26 comparando com dados do ano passado.

Caças F-35A Lighting II Foto- U.s Airforce

A Lockheed Martin reduziu a parte superior da projeção de receita anual de sua unidade aeronáutica em cerca de 2%, para US$ 24,6 bilhões.

A projeção de lucro anual da empresa caiu cerca de 1%, para US$ 2,67 bilhões. O F-35 é a maior linha de negócios geradora de receita da unidade aeronáutica.

“O que estamos vendo é que existem requisitos locais de distanciamento que estão sendo aplicados com mais rigor em todo o mundo. Há interrupção da força de trabalho ”, diz Kenneth Possenriede, vice-presidente executivo e diretor financeiro da Lockheed Martin. “Existem impactos prováveis ​​que estão acontecendo em toda a hierarquia da camada de suprimentos. Existem restrições de remessa … Também estamos descobrindo que provavelmente haverá alguns impactos na produção em nossa fábrica. ”

A maioria dos caças F-35 passa pela montagem final em Fort Worth, Texas. Um número menor de aeronaves é construído nas instalações finais de montagem e check-out em Cameri, Itália e Nagoya, Japão. Ambos os locais foram interrompidos por restrições em quarentena por coronavírus, mas estão funcionando novamente, diz Possenriede.Os fornecedores  estão sendo impactados.


Linha de monragem de caças F-35B Lightning II , em Centre East – Foto: Marinha dos EUA por Heather Wilburn / Lançada

“Pense nelas como restrições de viagem e acesso ao site que provavelmente são os fatores de impacto mais citados”, diz Possenriede. “Estamos vendo aumentos na escassez de fornecedores. E em nossas linhas de produção, estamos vendo alguns impactos de absenteísmo.”

O trabalho de modernização e manutenção do programa F-35 não parece ser impactado, diz ele. A empresa norte-americanas  espera voltar as normalidades das produções nos próximos meses.

“Esperamos que a curva comece a se achatar no segundo trimestre, no final do segundo trimestre, e que possamos chegar a algum tipo de aparência de negócios como de costume, seja o que for, começando no terceiro trimestre”, diz Possenriede.

 

DEIXE UMA RESPOSTA